segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Polícia Federal prende cunhado de ex-presidente do STJ Cesar Asfor Rocha.



Uma operação da Polícia Federal prendeu na última quinta-feira Armando Campos, cunhado do ministro Cesar Asfor Rocha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ele é suspeito de envolvimento num esquema de fraudes e sonegação fiscal superior a R$ 50 milhões em Fortaleza. O processo, que corre em segredo de Justiça na 11ª Vara Federal no Ceará, prendeu provisoriamente nove pessoas ontem, sendo sete no Ceará, uma em São Paulo e outra no Rio de Janeiro.

Os acusados responderão por formação de quadrilha, crimes contra a ordem pública, contra o Sistema Financeiro Nacional, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. A investigação iniciada há dois anos teve como base um relatório da Receita Federal que desconfiou do montante movimentado pela FCA e pelo envio de R$ 15 milhões em remessas ao exterior.

A prisão constrange Asfor Rocha, em campanha por uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Pessoas próximas ao ministro minimizaram a relação pessoal entre ele e o cunhado, casado com uma irmã de Asfor Rocha, divulgando a versão de que eles não possuem um bom convívio.

Segundo o superintendente da PF no Ceará, delegado Aldair da Rocha, "o esquema criminoso funcionava através de algumas empresas, a maioria delas do Ceará, uma de São Paulo e outra do Rio de Janeiro, repassavam valores como patrocínios fictícios, fazendo uma movimentação que nós calculamos em cerca de 50 milhões de reais".

De acordo com ele, "esse dinheiro retornava para as empresas, provavelmente para formação de uma Caixa 2 e ficando apenas cerca de 1 a 3 por cento com a Federação. O dinheiro retornava em espécie e este Caixa 2 é um dinheiro sem controle e que geralmente é usado para os mais diversos ilícitos, geralmente o pagamento de propina".

Os peritos da Polícia Federal (PF) e da Secretaria da Receita Federal no Ceará (SRF) estão analisando os documentos e computadores apreendidos na Federação Cearense de Automobilismo (FCA) durante a operação batizada de "Podium". Há suspeita de sonegação fiscal superior a R$ 50 milhões que teriam entrado nos cofres da FCA de 2005 a 2008 através de contratos de patrocínios e voltaram para as empresas patrocinadoras.

No material investigado, estão contratos e planilhas das quotas de patrocínios. Os 32 mandados de busca e apreensão resultaram em 39 malotes de documentos. A ação mobilizou um efetivo de 225 agentes, sendo 160 policiais federais e 65 auditores da Receita Federal.

O advogado Hélio Leitão, que defende o presidente da FCA, Haroldo Scipião Borges, deu entrada no pedido de revogação da prisão de seu cliente, mas até a tarde de ontem o juiz Ricardo Ribeiro não tinha se manifestado. Também foi pedido o relaxamento da prisão temporária do piloto Hibernon Cisne e dos representantes de duas das sete empresas envolvidas (Marquise e Newland). O juiz também não deu despacho sobre os pedidos.

A prisão temporária dos nove presos termina na próxima segunda-feira. Todos os nove presos já prestaram depoimento. "O meu cliente não se negou a falar e disse para a Polícia Federal que toda transação foi legal. O dinheiro entrava na conta da Federação e era encaminhado para os pilotos em cheques nominais. Tudo as claras. Se daí por diante, no momento que o piloto recebe o valor havia distorção, isso nem é responsabilidade da Federação tampouco é do conhecimento da Federação", argumentou Hélio Leitão com base no depoimento de Haroldo Scipião. "Este procedimento é o mesmo adotado pela Confederação Brasileira de Automobilismo e por muitas outras federações".

O advogado dos acusados reclamou por não ter acesso ao processo. "Essa é uma antiga demanda nossa. É um grande problema a gente ter que trabalhar sem conhecer a acusação em toda sua inteireza. A gente tem acesso limitado. A parte acusada não pode ser surpreendida", diz Hélio Leitão, que foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-Ceará) até o ano passado.
Estadão

Quem vazava ás informações para o Jader?

Blog Ananindeua Debate


Há um tema a ser abordado, provavelmente em um futuro próximo: quem passava as informações das discussões estratégicas do PT para o PMDB paraense? Sabe-se que Jader era informado com privilégio sobre as posições do PT ou da corrente DS e sobre a avaliação do PMDB no governo.
Longe de se mover pelo ódio político, o velho cacique peemedebista é PHD em política, sua escola é que em política não se move por emoções, e sim pelo estômago. Mas chegou a falar que o PT tinha um bocado de fofoqueiro.
O deputado ficou ferido, o informante, talvez no afã de mostrar seus serviços e puxar o saco do novo chefe, devia carregar nas fofocas. Claro, isso não foi determinante para ele não apoiar Ana Júlia.
Um dirigente petista confidenciou para o blog que ficou surpreso com as informações que um peemedebista tinha sobre o PT e o governo. Ele comentou que ficou surpreso e com cara de “tacho”, diante das informações que o peemedebista sabia.
Coisa que nem dentro do PT se debatia e olha que dentro do PT quase tudo se vaza. Jader tinha um canal privilegiado de informações sobre a avaliação do PT em relação ao PMDB no governo.
Durante a ditadura militar no Brasil os milicos usavam os “cachorros”, como eram conhecidos os militantes de esquerda que, após a prisão, viravam colaboradores da ditadura, com direito a pagamento em folha.
Na época se falava que o "cachorro", quando preso, recebia dois tapas, um para falar e outro para parar de falar. O caso mais famoso é do Cabo Anselmo, que entregou até a mulher grávida.
Voltando ao nosso tema: quem passava as informações estratégicas para o PMDB? Um dia a história ou as estórias devem aparecer .

Vitória arrasadora do Rio no Alemão cria constrangimento.


O ordinário blogueiro entrevista Fuzileiros Navais

A retomada do território do Alemão pelas forças da Lei durou das 8h da manhã às 9h30 da manhã deste domingo.
Foram cerca de 1200 homens e carros anfíbios, blindados, e helicópteros numa ação coordenada pelo exemplar policial federal José Mariano Beltrame, Secretário de Segurança do Rio.
Os traficantes tinham fugido da Vila Cruzeiro para o Alemão.
As 44 saídas do Alemão foram fechadas.
Os traficantes ficaram presos lá dentro.
E as forças do delegado Beltrame, aos poucos, identificarão os criminosos e as áreas em que armazenavam drogas e armamento.
Este ordinário blogueiro entrevistou Beltrame para o Domingo Espetacular, e ele informou que tropas federais manterão a ocupação do Alemão e da Vila Cruzeiro até que novos policiais militares sejam formados e possam instalar as UPPs.
Nunca dantes na história deste país houve uma ação tão extensa, maciça e fulminantemente eficaz quanto esta no Rio de Janeiro.
A vitória de Sérgio Cabral e Beltrame cria inevitáveis constrangimentos.
Mostra, de forma escancarada, que nenhum governante pode mais fechar os olhos, sentar em cima das mãos, conciliar, ou fazer acordo secreto com o crime organizado.
O Rio de Janeiro era e é uma área de forte consumo e tráfico de droga.
Mas não é a única.
E um dia e, um dia, a casa cai.O crime organizado vai para a rua, queima ônibus, atira em postos da polícia, tranca ruas e cospe na cara do governante.
Sérgio Cabral e Beltrame demonstraram que é possível enfrentar o crime organizado.
Só não enfrenta quem fez acordo com ele ou dele tem medo.


Paulo Henrique Amorim


sábado, 27 de novembro de 2010

O controle do Complexo do Alemão é um exemplo de integração policial


A Vila Cruzeiro passará a ser território de cidadãos

Estão na Vila Cruzeiro e na entrada do Alemão, neste momento, carros anfíbios da Marinha, Caveirões da polícia do Rio, Fuzileiros Navais, policiais federais, policiais civis e militares do Rio, soldados do Exército e, imagina-se, um contingente de agentes de inteligência das diversas forças.
A tomada de controle do Complexo do Alemão demonstra muito mais do que a eficácia de uma política centrada na construção de Unidades Policiais Pacificadoras.
O tráfico fugiu das UPPs, reagiu e passou a ser combatido de forma maciça.
O governador Sérgio Cabral e o secretário de Segurança José Maria Beltrame conseguiram, primeiro, integrar as polícias do Rio.
Não é coisa fácil.O amigo navegante se lembra das cenas de guerra civil em frente ao Palácio do Padim Pade Cerra em que se transformou as divergências entre as polícias Civil e Militar da Chuíça (*).
O segundo trabalho político de Cabral e Beltrame foi criar as condições morais e técnicas para ter direito à participação de contingentes da Marinha e Exército.
O tráfico não vai acabar.
Sempre haverá o consumidor.
Mas, quando os policiais do Rio de Janeiro cruzaram as ruas estreitas da Vila Cruzeiro e, enfim, chegaram ao topo do morro, ficou estabelecido que o cidadão tinha recuperado uma boa parte de seus direitos.
Direito à Educação, à Saúde, ao Comércio e à Paz.
Quando o secretário Beltrame começou a ofensiva para re-instalar o poder do Estado nas favelas do Rio, a classe média, os ricos, e as Organizações (?) Globo ficaram contra.
Com o argumento hipócrita de que haveria sangue e abusos, escondiam um outro temor, mais profundo.
O temor de que as favelas se tornassem bairros em que cidadãos pobres pudessem viver com dignidade.
E o que a classe média, os ricos e as Organizações (?) Globo mais queriam e querem é a Sowetização do Rio e do Brasil.
O que eles querem é o Carlos Lacerda.
Cabral e Beltrame fizeram o funeral do Lacerda no alto da Vila Cruzeiro.
Aleluia !
Paulo Henrique Amorim

(*) Chuíça é o que o PiG (**) de São Paulo quer que o resto do Brasil ache que São Paulo é: dinâmico como a economia Chinesa e com um IDH da Suíça.

(**) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

Toffoli enterra Dantas e Gilmar em decisão sobre grampo.

Toffoli: quando é grampo é legal


O amigo navegante Stanley Burburinho, o reparador de iniquidades (quem será Stanley Burburinho ?), enviou email com esta notícia encorajadora.
O ministro Toffoli do Supremo Tribunal Federal acabou de sepultar alguns dos argumentos que justificavam o desejo de Gilmar Dantas (*) e Daniel Dantas de desmoralizar a Satiagraha.
Toffoli legitima os grampos legais que o ínclito delegado Protógenes Queiroz pediu e o corajoso juiz Fausto De Sanctis autorizou.
Clique aqui para ler “Lula prometeu aos blogueiros que vai concluir investigação sobre Dantas” e clique aqui para ler “Kenarik 10 x 0 Gilmar”.
Leia a decisão do ministro Toffoli:

Quebra de sigilo telefônico pode ser prorrogado e superar prazo de 15 dias
O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu liminar no Habeas Corpus (HC) 106129, requerida pela defesa de I.T.A.N., policial civil acusado de fazer parte de organização criminosa descoberta por operação da Polícia Federal. A defesa argumentava que o acusado teve quebra de sigilo telefônico por prazo superior ao previsto em lei (de quinze dias).
No entendimento do ministro Dias Toffoli, a quebra do sigilo telefônico e suas respectivas prorrogações efetuadas com autorização judicial parecem devidamente fundamentadas devido à complexidade da organização criminosa investigada pela Polícia Federal.
A defesa sustentou a tese de constrangimento ilegal tendo em vista “a nulidade das decisões que autorizaram a interceptação telefônica contra ele por prazo superior ao permitido legalmente”. Por esse motivo, as provas dai advindas seriam nulas. Outro argumento da defesa era de que “a interceptação no presente caso não ocorreu nos moldes da Lei 9.296/96, ferindo além do artigo 5º da citada lei, a Constituição da República Federativa do Brasil em seu artigo 5º, X e XII “. Além disso, a defesa afirmou que não haveria fundamentação legitima para a interceptação, tendo as autoridades policiais se apoiado em suposta “denúncia anônima”.
Segundo o Ministério Público, trata-se de quadrilha em grande parte formada por policiais civis que, aproveitando-se da função publica, praticava tortura e extorsões, facilitava a exploração de jogos de azar e o desmanche de veículos furtados, tudo mediante o recebimento de propina, além de agenciar serviços advocatícios no distrito policial, visando se beneficiar de parte dos honorários auferidos pelo defensor. A defesa pedia, liminarmente, a concessão da ordem para que fosse anulada a decisão da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que alegava ser manifestamente ilegal.
Para o relator, ministro Dias Toffoli o deferimento de liminar “é medida de caráter excepcional, cabível apenas se a decisão impugnada estiver eivada de ilegalidade flagrante, demonstrada de plano, ou quando a situação apresentada nos autos representar manifesto constrangimento ilegal, o que não se verifica na espécie”, afirmou o ministro. Segundo o relator a decisão do STF “não vislumbra nenhuma ilegalidade, abuso de poder ou teratologia que justifique o deferimento do pedido”, finalizou.
(*) Clique aqui para ver como um eminente colonista (**) do Globo se referiu a Ele. E aqui para ver como outra eminente colonista (**) da GloboNews e da CBN se refere a Ele.

(**) Não tem nada a ver com cólon. São os colonistas do PiG (***) que combatem na milícia para derrubar o presidente Lula. E assim se comportarão sempre que um presidente no Brasil, no mundo e na Galáxia tiver origem no trabalho e, não, no capital. O Mino Carta costuma dizer que o Brasil é o único lugar do mundo em que jornalista chama patrão de colega. É esse pessoal aí.

(***) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

Vereador do PT que denunciou esquema de corrupção na Prefeitura do Guarujá (SP) é assassinado dentro de casa.


O vereador do Guarujá, litoral do Estado de São Paulo, Luis Carlos Romazzini (PT), de 45 anos, foi assassinado em sua casa na madrugada desta sexta-feira, 26, por volta da 1h30.

Três homens chegaram em motocicletas à casa do vereador, no Jardim Maravilha, e o chamaram pelo nome, segundo a polícia. Romazzini saiu da residência armado e foi alvejado com vários tiros no quintal. Os criminosos fugiram em seguida, sem levar nada. Sua mulher testemunhou a cena e acionou os policiais militares da 2ª Companhia do 21º Batalhão do Interior.

O vereador morreu a caminho do hospital e o caso foi registrado no Distrito Policial Sede da cidade. Em 2006, Romazzini disse que passou a receber ameaças de morte após denúncias de um esquema de corrupção envolvendo a Câmara Municipal e a Prefeitura da cidade, conhecido como "Mensalinho do Guarujá". Na época, o vereador chegou a pedir proteção à Policia Federal.
Romazzini, natural de São Francisco, no interior do Estado, era advogado, graduado em História e Direito, e não tinha filhos, segundo seu blog pessoal.


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Paulo Bernardo será o Ministro da Ley de Medios.


Paulo Bernardo, ministro da Dilma e, não, da Globo

Extraído da respeitada publicação Teletime, com reportagem do competente Samuel Possebon:
Paulo Bernardo deve ser o ministro das Comunicações no governo Dilmaquinta-feira, 25 de novembro de 2010, Paulo Bernardo, atual ministro do Planejamento, deve ser o novo ministro das Comunicações do governo da presidente Dilma Rousseff.
Segundo apurou este noticiário, Bernardo já trabalha para se inteirar dos temas da pasta e teria aceito o cargo dentro da perspectiva de que o Minicom será, no próximo governo, um ministério importante, responsável pelo Plano Nacional de Banda Larga, pela recuperação dos Correios (que voltarão a ter gestão técnica e não devem mais ser objeto de negociação política com a base do governo), Telebrás recuperada e operante, por fim, responsável pelas (complicadas) negociações para a Lei de Comunicação Eletrônica.
Vale lembrar que Paulo Bernardo esteve à frente da intervenção nos Correios realizadas depois da saída da ex-ministra Erenice Guerra.

Segundo fontes de alto escalão do governo, Paulo Bernardo só não ficará com as Comunicações se tiver que ser escalado para uma função mais importante. Nesse caso, a Casa Civil, que estaria definida em favor de Antônio Palocci.
Esta semana, Paulo Bernardo foi formalmente confirmado para compor o ministério de Dilma, mas não se informou qual seria a pasta. Casa Civil, Comunicações e Cidades estavam entre as possibilidades.

O Ministério das Comunicações deve ter seu papel de formulador de políticas na área de telecomunicações e radiodifusão recuperado, com secretarias fortes e atuantes em todos os setores. Deve ser criada, inclusive, uma secretaria de inclusão digital.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Lula recebe "blogueiros sujos" e passa um sabão em Serra.

BLOG DO CELSO JARDIM
Muito Além do Jardim

Em ato histórico, o presidente Lula recebeu na manhã desta quarta-feira (24), um grupo de blogueiros, no Palácio do Planalto, para uma entrevista coletiva. Os blogueiros abordaram diversas questões como comunicação, Reforma Política, Plano Nacional dos Direitos Humanos e Internet.

O Presidente criticou qualquer forma de censura à internet lembrando do projeto de Lei do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que tipifica condutas realizadas no uso de sistema eletrônico, digitais ou similares na rede. Muitos críticos consideram o projeto como um “AI-5 digital“. Durante a entrevista Lula declarou que espera coerência do Congresso Nacional na análise desse projeto.

Outra critica de Lula foi ao preconceito contra o povo nordestino, que tomou conta da internet depois da eleição de Dilma. Para Lula, qualquer tipo de preconceito é uma doença. “Não basta fazer lei para enfrentar o preconceito, a lei é apenas um instrumento, o que vai mudar isso é a elevação do nível de consciência das pessoas”, ressaltou o presidente.

Quanto às políticas para a área de comunicação durante os oito anos de governo Lula, o presidente considerou que todas elas dependem de correlações de forças políticas. As reivindicações, segundo ele, são sempre muito fortes, o que o presidente considera positivo, assim como as recusas, que ele classificou como negativas para o processo de debate.

Ele também lembrou que o Brasil hoje atingiu um patamar de respeito perante o mundo e por isso pode opinar em diversas questões que estão em debate na comunidade internacional.

Ao final da entrevista Lula deixou uma esperança para a blogosfera quando deixar a presidência. “Depois de 4 meses de quarentena, vou virar blogueiro e tuiteiro". E prometeu retomar sua militância em discussões como a da Reforma Política. "Eu pretendo trabalhar muito para a reforma política. É inconcebível que o país atravesse mais um período sem avançar nesse debate”.

O Conversa Afiada destaca a fala do presidente Lula sobre o triste e lamentável episódio da "Bolinha de papel" quando o candidato derrotado Serra simulou uma agressão, "No fim da entrevista o presidente Lula falou sobre Serra que chama os "blogueiros progressistas" de "Blogues sujos”, o presidente Lula foi para cima do Serra e da Globo.

A bolinha de papel: foi uma desfaçatez. Sobre a “segunda bolinha” da Globo e do “perito” Molina: ela inventou". Aquela imagem não existe ! Segundo Lula, o Serra e a Globo têm que pedir desculpas ao povo brasileiro.

Mancada


O assunto está fervendo no meu twitter e o prof. Fábio Castro fez este post a seguir, sob o título

"Movimento político arriscado":

É a primeira grande mancada do governo eleito. O vice-governador eleito, Helenilson Pontes (PPS), passou a manhã de ontem na Assembléia solicitando aos deputados estaduais a não aprovação dos projetos 291/09 e 292/09 do Governo do Estado. Esses projetos regulamentam o tratamento tributário da cadeia produtiva do cobre e de seus derivados.

O risco, tanto da não aprovação como da possibilidade de que certas emendas sejam aditadas aos projetos, é de que as atividades de beneficiamento do cobre deixe de ser atrativa para os investidores, inclusive com a possibilidade de que a Alpa, a Aços Laminados do Pará, um investimento de R$ 6 bilhões, saia do estado.

A Alpa é uma vitória política do governo Ana Júlia, mas, sobretudo, é uma vitória do estado do Pará. É o primeiro passo para a consolidação da tão sonhada verticalização do ciclo mineral no estado. A partir dela, por exemplo, já começava a se instalar no estado a Aline, uma siderúrgica que, a partir do aço laminado da Alpa, se propõe a elaborar produtos de aço galvanizado e a frio. Outra conseqüência da Alpa seria a construção de uma indústria de aço refinado, pela Vale, na Zona de Processamento de Exportação de Barcarena, projeto já em negociação.

Ao que parece, o governo Jatene vai se pautar pela batalha política, pela desconstrução de obras e pela reversão de cenários que, a despeito de poderem ser associados à ação dos seus adversários, são importantes para o estado.

Papa demite bispo que apoiou Dilma. Vitória do Padim Pade Cerra.

Charge de Dragon
Bispo que apoiou Dilma é pressionado a renunciar

Paulo Cezar - JB

Papa aceita renúncia de bispo brasileiro que apoiou Dilma Rousseff

CIDADE DO VATICANO – O papa Bento XVI aceitou a renúncia de Luiz Carlos Eccel, bispo de Caçador (Santa Catarina, Brasil), que apoiou para a eleição presidencial Dilma Rousseff, criticada pela Igreja Católica por suas posições sobre o aborto, anunciou nesta quarta-feira o Vaticano.

Bento XVI aceitou a renúncia do bispo Eccel “em conformidade com o artigo 401 parágrafo 2 do Código de Direito Canônico”, indicou o Vaticano em um comunicado. Esse artigo prevê a renúncia “por motivos de saúde ou por outra causa grave”.

Este bispo, de 58 anos, não teria se mantido fiel à Igreja católica ao apoiar abertamente a candidatura de Dilma Rousseff, eleita presidente no dia 31 de outubro.

Alvo da Igreja católica e dos evangélicos por suas posições a favor da legalização do aborto, a candidata do Partido dos Trabalhadores afirmou antes do segundo turno que não iria modificar a lei.

Durante a campanha eleitoral, o bispo de Guarulhos (São Paulo) divulgou um manifesto contra Dilma, a pessoa escolhida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para sucedê-lo, apresentando-a como “a candidata da morte”.

Três dias antes do segundo turno, no dia 28 de outubro, Bento XVI disse, ao receber os bispos brasileiros, que os sacerdotes tinham “o dever de emitir um julgamento moral, mesmo na política”, quando “os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem”.

As declarações foram recebidas no Brasil como um apoio implícito ao candidato social-democrata da oposição, José Serra.

By: Conversa Afiada

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Desempregado, Serra tenta vaga no Blue Man Group.

BLOG DO CELSO JARDIM
Muito Além do Jardim

Depois de passar pela Europa sem ser notado, falar que ministrou palestra que ninguém ouviu e ao chegar ao Brasil assistir o show de Paul McCartney e ouvir a letra de Tantinho da Manqueira, Bolinha de papel, “Deixa de ser enganador”. O candidato derrotado à presidência José Serra desempregado está tentando uma nova colocação no mercado de trabalho.

O ex-governador prefere um trabalho mais dinâmico e tomou uma atitude inusitada: se pintou de azul e fará testes para ser o mais novo integrante do Blue Man. Outra possibilidade é de Serra ir trabalhar na Disney, como atração principal da Casa Mal Assombrada. O candidato estuda também uma proposta para fazer “A volta dos mortos vivos” na próxima eleição.

Reprodução do site Sensacionalista

O PiG (*) vai dizer que SP não pode abrir a Copa ?


A culpa é dele

Se fosse em qualquer outra cidade do país – especialmente no Rio – o PiG (*) diria que ali seria impossível realizar a Copa.

Mas, como foi em São Paulo, que se transformou num caos por causa da chuva e do Paul McCartney, o PiG (*) vai passar a mão na cabeça.

O PiG tem medo de São Paulo, a capital nacional do PSDB, a vanguarda do atraso.

(O Conversa Afiada ficou três horas sem internet, no meio da cidade de São Paulo, hoje.)

A lentidão na capital paulista ultrapassa os 200 quilômetros no início da noite desta segunda-feira (22). A chuva e o show do ex-beatle Paul McCartney complicam a vida dos motoristas nas principais vias de São Paulo.

Clique aqui para ler “A herança maldita do Cerra: obras jogaram dinheiro no lixo”.

Às 19h, eram 216 quilômetros de congestionamento, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). O recorde do ano foi registrado na saída do feriado prolongado, em 8 de outubro, quando a lentidão na cidade atingiu 221 km.
O trânsito está concentrado nas marginais do rio Pinheiros e do Tietê. A zona sul concentra a lentidão com 77km de trânsito (36% do total). A zona oeste também apresenta problemas, principalmente na avenida Rebouças.

A CET realiza esquema especial para o show na região do estádio do Morumbi, mas orienta a utilização de transporte público e táxis.

Em direção ao show, uma das piores vias é a avenida das Nações Unidas, próximo à ponte Eusébio Matoso, com cerca de 4km de lentidão. A avenida Nove de Julho tem 6km de filas, enquanto a avenida Morumbi tem 3km. A avenida João Dias tem 3km de congestionamento.

Segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências) da prefeitura, a zona sul chegou a entrar em estado de atenção em razão da chuva, mas, após as 17h30, apenas a chuva leve atingia a região.

(…)
Além da chuva que atingiu algumas regiões da cidade de São Paulo na tarde desta segunda-feira –provocando lentidão no trânsito e o fechamento do aeroporto de Congonhas– uma queda de energia atingiu moradores de diversos bairros e paralisou trens do metrô.

Ficaram sem energia áreas de Pirituba, Perdizes, Pompeia, Barra Funda, Casa Verde, Santana e Bom Retiro. De acordo com o Metrô, os trens pararam na linha 2-Verde, entre as estações Vila Madalena e Ana Rosa, e na linha 3-Vermelha, entre as estações Barra Funda e Marechal Deodoro.

A companhia afirma que a parada foi provocada pela interrupção do fornecimento de energia por parte da AES Eletropaulo, e que, minutos depois, a energia foi restabelecida e a operação voltou ao normal.

De acordo com a AES Eletropaulo, a queda de energia foi provocada por um problema de transmissão, de responsabilidade da Cteep (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista).

(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

Meirelles será substituído no Banco Central, afirma fonte.



22/11/2010 17:56, Por Redação, de Brasília

A presidente eleita Dilma Rousseff decidiu não manter Henrique Meirelles no comando do Banco Central, disse a jornalistas, nesta segunda-feira, uma fonte próxima ao futuro governo.

– Ele não vai continuar, já foi decidido – disse a fonte.

As especulações em torno da permanência ou não de Meirelles como presidente do BC aumentaram depois que Guido Mantega foi convidado, e aceitou, continuar à frente do Ministério da Fazenda, ainda segundo afirmou a mesma fonte à agência inglesa de notícias Reuters, na última quinta-feira. Dilma e Meirelles conversaram na última sexta-feira, mas não houve comunicados oficiais à imprensa, na ocasião.

Participantes do mercado de capitais defendiam claramente a permanência de Meirelles no cargo como contraponto ao ministro da Fazenda e a uma política fiscal menos rigorosa. A fonte disse que ainda não foi definido o substituto e a assessoria do BC afirmou que o banco “não comenta” reportagens com fontes anônimas. A saída de Meirelles poderia abrir espaço para uma política monetária mais frouxa, que permitiria a queda da taxa de juros, entre as mais altas do mundo.

Um dia após as notícias sobre Mantega, jornais publicaram que Meirelles não continuaria no cargo a menos que Dilma pudesse garantir a autonomia do BC. Na própria sexta-feira, Meirelles procurou abafar eventuais ruídos de comunicação. Em entrevista à ao canal de TV inglês Reuters Insider, ele afirmou que “não há condições impostas”. E acrescentou que “a presidente eleita Dilma expressou total apoio à autonomia do Banco Central durante a campanha eleitoral”.

Mas no fim de semana e nesta segunda-feira, notícias publicadas na imprensa mostravam que Dilma teria se irritado com as supostas condições apresentadas por Meirelles para permanecer no cargo. Segundo a fonte que conversou com a Reuters nesta tarde, a questão da autonomia do BC está fora de discussão, acrescentando ainda que o governo Dilma será “responsável” na política monetária.

Na chefia do BC desde janeiro de 2003, Meirelles foi o presidente que mais tempo ficou no cargo. Com atuação no combate à inflação sempre elogiada, seu papel ganhou ainda mais destaque na coordenação, junto com Mantega, do combate aos efeitos da crise financeira global. Entre os nomes mais cotados para assumir a presidência do BC está o do diretor de Normas do banco, Alexandre Tombini.

''Regulação não tem a ver com censura''


Eve Salomon, consultora da Unesco

A consultora da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) Eve Salomon estudou a situação do sistema de radiodifusão brasileira por um ano para propor diretrizes para uma regulação de mídia, um assunto controverso no País. Para ela, regular não é censurar, e as diferentes visões políticas precisam ser protegidas.
O que falta no atual sistema de radiodifusão no Brasil?

A primeira coisa de que sentimos falta é uma estratégia global, um sentido nacional de como a televisão deverá ser usada em benefício dos cidadãos brasileiros. O setor diz que o que eles produzem é bom para o Brasil, mas não é algo que o Brasil decidiu. Em outros países o que descobrimos é que o Estado pensou a respeito da TV e o que quer para o seu país. Licenciaram TVs para prover isso. É o que parece estar faltando, liderança e estratégia. Quando se fala em regulação no Brasil sempre surge um temor de que acabe se chegando a algum tipo de censura, daí a dificuldade de debater isso no País. Regulação e censura não têm qualquer relação. Para começar, em bases bem simples, censura significa impedir que alguma coisa seja transmitida ou impressa. A regulação nunca olha alguma coisa antes, apenas depois de ser transmitida. Você pode transmitir ou publicar o que quiser e, se isso fere a lei, ser punido depois. A regulação, quando feita da maneira correta, é uma maneira de proteger a liberdade de expressão. Isso não é apenas garantir o direito de dizer o que você quer, mas também o direito dos cidadãos de receber o que eles precisam para operar em uma democracia. É preciso respeitar a privacidade das pessoas, não transmitir mensagens de ódio, é preciso proteger as crianças e garantir que as notícias sejam acuradas. Esses são os princípios básicos que estamos propondo para o Brasil, nada mais.

Mas há sempre desconfianças de ambas as partes. O governo reclama da mídia, a mídia suspeita de que as boas intenções possam, no final, ser usadas não para garantir direitos, mas para tentar controlar visões políticas divergentes.

Não sei o que o governo vai fazer, mas a regulação de conteúdo é apenas uma pequena parte de todo um pacote. O que recomendamos é material que já está na Constituição e não representará nenhum controle nas empresas existentes, pelo menos naquelas responsáveis. Não iria acrescentar nenhuma restrição. O que vai ajudar a fazer é dar alguma certeza sobre as regras. Não há porque haver preocupação com a liberdade de discurso político, porque isso não está incluído. Pelo contrário, o discurso político precisa ser protegido de toda forma.

Mas se a intenção é que a regulação se baseie em leis e princípios constitucionais, qual a razão de ter uma legislação e um sistema específico?

A vantagem de ter uma agência e um sistema regulador é que é muito mais rápido e muito mais barato, muito mais simples. A regulação permite que, em casos de desrespeito, possa haver um diálogo e possam ser definidos procedimentos para evitar repetições de problemas sem que se precise apelar para a Justiça, o que pode chegar a punições muito mais duras que o necessário.
Nas agências existentes no Brasil, os membros são indicados pelo governo e aprovados pelo Congresso, em um processo absolutamente envolto em política partidária.

Bem, essa não é uma forma realmente independente. Em alguns países há agências que têm seus membros apontados politicamente. Mas as melhores práticas internacionais têm ido além disso. Os membros precisam ser politicamente o mais independentes possível, independentes também do setor que eles vão regular.



domingo, 21 de novembro de 2010

Governo de SP: Seu filho doutor em pornografia.



TJ manda suspender livro da rede pública
Durante o governo Serra dois casos vieram a tona, livros para crianças com apelo pronográfico e contendo dezenas de palavrões.
E continua no governo de Alberto Goldman, o ex-vice de Serra.

Primeiro foram os livros contendo expressões como "chupa rola", "cu" e "chupava ela todinha" foram distribuídos pela Secretaria Estadual da Educação de São Paulo como material de apoio a alunos da terceira série do ensino fundamental (faixa etária de nove anos), o livro contém 11 histórias em quadrinhos produzidas por Caco Galhardo --também quadrinista da Folha. Uma das histórias mais criticadas por especialistas traz uma caricatura de um programa de mesa-redonda de futebol na TV.

Enquanto o comentarista faz perguntas sobre sexo, jogadores e treinadores respondem com clichês de programas esportivos, como "o atleta tem de se adaptar a qualquer posição".

Depois foi o caso de um livro de inglês distribuídos pela Secretaria de Estado da Educação de São Paulo a alunos do ensino médio sugeria um link de um site pornográfico para que os alunos “ampliassem” seus conhecimentos da língua.

O endereço (http://www.newsonline.com/), quando digitado, leva a uma página na qual apresentadoras de telejornais tiram a roupa enquanto apresentam as notícias. Ele não é registrado no Brasil.

Agora segundo o tribunal, outra obra distribuída para alunos tem "elevado conteúdo sexual, com descrição de atos obscenos".

Um novo livro é distribuído nas escolas paulistas e o Tribunal de Justiça de São Paulo ordenou que o governo paulista deixe de distribuir aos alunos das escolas estaduais o livro "Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século" (ed. Objetiva).

No entender do tribunal, três contos contêm "elevado conteúdo sexual, com descrições de atos obscenos, erotismo e referências a incestos" -inadequados para alunos que têm entre 11 e 17 anos.

O conto "Flor de Cerrado", de Maria Amélia Mello, por exemplo, contém o seguinte trecho: "Ele passava a mão, esfregava o peito contra o meu, forçava a perna, mordia meu ombro, babava meu rosto todo e me chamava de puta, vaca, vagabunda...".

Famílias de estudantes que não gostaram do conteúdo procuraram o Inadec (Instituto Nacional de Defesa do Consumidor), que levou a ação à Justiça, como informou ontem o jornal "O Estado de S.Paulo".

Segundo o Inadec, "Flor de Cerrado" é o menos agressivo dos três contos. Os outros são "Olho", de Myriam Campello, e "Obscenidades para uma Dona de Casa", de Ignácio de Loyola Brandão.
O livro, segundo a ação, é distribuído no ensino médio e nos anos finais do ensino fundamental como parte do programa Apoio ao Saber.

A Secretaria de Estado da Educação disse que o livro se destina ao terceiro ano do ensino médio."Não tem nada a ver com censura, mas com classificação indicativa. É uma obra excelente, mas não serve para crianças e adolescentes", afirma o advogado do Inadec, Renato Menezello.

A Secretaria da Educação discorda: "Uma obra de arte considerada por críticos e educadores adequada para determinada faixa etária na rede privada não tem motivo para não ser oferecida aos alunos da escola pública da mesma faixa etária".

A secretaria disse ontem à tarde que ainda não havia sido notificada pelo Tribunal de Justiça. A editora Objetiva não comentou. A decisão é liminar (provisória) e o livro não pode ser distribuído até que o caso seja definitivamente julgado. Os livros já distribuídos não serão recolhidos.


O que Serra está fazendo no exterior?

BLOG DO CELSO JARDIM
Muito além do Jardim
O que Serra está fazendo no exterior?
Na sua opinião O que Serra foi fazer lá fora?





Assinale com x
_ Receber prêmios internacionais pela falsa autoria de projetos de outros
_ Se desculpando com os compradores das promessas de vender o pré-sal
_ Ensinando a colocar pedágios em todas as estradas
_ Chorando a derrota em outra língua
_ Falando mal do governo Lula (aqui não tem coragem)
_ Falar com o Papa sobre o aborto de sua mulher
_ Dandos cursos sobre como mentir em campanhas
_ Palestra "Como privatizar a saúde e deixar a população sem atendimento do SUS"
_ Conferência para campanha de políticos sem propostas
_ Procurando o Paulo Preto (para devolver os R$ 4 mi)
_ Fazer exame mais específico na cabeça por causa da bolinha da papel
_ Comprar uma super cola para juntar os cacos do seu partido, o PSDB
_ Pedir um vale na Decidir (empresa de sua filha e da irmã do Daniel Dantas)
_ Aula: Como fechar comportas para proteger bairros nobres e alagar os mais pobres
_ Descobrir novas pornografias para colocar nos livros escolares das crianças
_ Conhecer pessoalmente o verdadeiro Tonto (aqui o cover foi seu vice)
_ Fazer um curso de como atender a imprensa (sem agredir jornalistas)
_ Aprofundar o conhecimento de sua entidade preferida (a Ku Klux Klan)
Se souber de outras atividades e informações envie para o Blog

sábado, 20 de novembro de 2010

Lula é 'personalidade França-Brasil' de 2010.



O presidente Lula recebeu nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro, o prêmio "Personalidade França-Brasil" de 2010, concedido pela Câmara de Comércio franco-brasileira. O prêmio agracia a cada ano personalidades que contribuíram para reforçar as relações entre os dois países.


A ministra francesa da Economia, Christine Lagarde, veio pessoalmente ao Rio para transmitir a mensagem do presidente Sarkozy.

Em um tom muito pessoal, Sarkozy afirmou que após entregar seu mandato à Dilma Rousseff, em janeiro, Lula vai permanecer com exemplo para todos os brasileiros, todos os franceses e para o mundo inteiro. "Você continuará como referência, fonte de inspiração e exemplo de sabedoria. Continuará como um amigo meu, um amigo muito querido".

O presidente francês assinalou que "França e Brasil são parceiros privilegiados para que as coisas mudem e para promover reformas audazes" na governança mundial, especialmente durante a presidência francesa do G20.

Lula respondeu destacando a parceria estratégica entre Brasil e França, e afirmou que Sarkozy "é um amigo, um camarada de quem me lembrarei por toda a vida".

Perguntada se tratou dos caças Rafale que a França pretende vender ao Brasil, a ministra francesa respondeu: "não, estou aqui para homenagear um homem". (Com informações do Portal Terra)


Kátia Abreu faz palestra em encontro de juízes patrocinado pela CNA.



por Conceição Lemes

De 11 a 13 de novembro, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) realizou, em Aracaju (SE), o IV Encontro Nacional de Juízes Estaduais, cujo tema foi “Justiça e Desenvolvimento Sustentável”.


O IV Enaje arrecadou R$ 1,05 milhão em patrocínios. Um, em particular, chamou-nos a atenção. Os R$ 100 mil pagos pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA), comandada pela senadora Kátia Abreu (DEM-TO).



Com a espada da lei nas mãos, e com a aquiescência de eminências do Poder Judiciário, ela tem se dedicado a investir sobre os trabalhadores sem-terra. Acusa-os de serem financiados ilegalmente para invadir terras Brasil afora.


Foram ações do poder público que lhe garantiram praticamente de graça extensas e férteis terras do Cerrado de Tocantins. E mais: Kátia Abreu, beneficiária de um esquema investigado pelo Ministério Público Federal, conseguiu transformar terras produtivas em áreas onde nada se planta ou se cria. Tradução: na prática, a musa do agronegócio age com os acumuladores tradicionais de terras que atentam contra a modernização capitalista do setor rural brasileiro.

Kátia Abreu é processada também por ter desmatado ilegalmente 776 hectares sem autorização Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama). Por isso, recebeu multa de R$ 77 mil, até hoje não aplicada porque recorreu à Justiça. Embora já tenha vendido as terras, continua respondendo ao processo, pois a multa é intransferível.


Curiosamente, foi uma das palestrantes do IV Enaje, que reuniu 600 juízes do Brasil inteiro. Falou no painel “Código Florestal e Desenvolvimento Sustentável”.


Considerando 1) as denúncias de desmatadora e grileira que pesam sobre Kátia, 2) a criminalização que faz dos movimentos sociais do campo, 3) o lobby do latifúndio e 4) o fato de o poder judiciário ser atualmente um dos gargalos da reforma agrária no Brasil, a parceria CNA/AMB levanta dúvidas.


A avaliação de que o Judiciário é um dos entraves à reforma agrária é do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST. Explica-se. O governo desapropria áreas consideradas improdutivas. Seus proprietários entram com recurso. A Justiça normalmente aceita. Cria-se um impasse. O governo já expropriou a terra, mas o caso fica parado na Justiça e as famílias acampadas, à espera da decisão final.



A região do oeste paulista é simbólica por potencializar alguns entraves à reforma agrária no País. No caso, o conservadorismo do Judiciário somado ao excesso de recursos ajuizados pelos proprietários. Valdez Farias, procurador-geral do Incra, diz que o estado de São Paulo é especialmente problemático nesse ponto porque, diferentemente de outras áreas, todos os recursos possíveis são aplicados.


AMB: “JUÍZES NÃO SÃO INFLUENCIADOS ASSIM COMO REPÓRTERES NÃO SÃO PELA PUBLICIDADE”


O Viomundo questionou então a Associação dos Magistrados Brasileiros:
1) O tema do IV Enaje foi desenvolvimento sustentável. Não configuraria conflito de interesses o patrocínio da CNA?


2) Desenvolvimento sustentável envolve propriedade da terra. O patrocínio da CNA não poderia gerar na cabeça dos juízes uma boa vontade em relação aos latifundiários em detrimento de movimentos dos trabalhadores rurais sem terra?


3) A senadora Kátia Abreu, presidente da CNA, tem ações na Justiça nas áreas agrária e ambiental. É compatível, ético, uma ré fazer palestra para juízes que podem um dia julgá-la?

4) Os recursos arrecadados com o patrocínio foram destinados a quê? Pagou despesas de juízes?


A AMB, por intermédio da assessoria de imprensa, respondeu-nos por email:


1) O convite à senadora Kátia Abreu para o painel Código Florestal e Desenvolvimento Sustentável deveu-se à representação da entidade junto ao tema. Destacamos que o painel não foi unilateral. Havia outro palestrante Raul do Valle, advogado especializado em meio ambiente e assessor jurídico da ONG Instituto Socioambiental (ISA) com ponto de vista oposto.

2) Os patrocínios são dados à entidade e não aos juízes individualmente. Da mesma forma que repórteres não são influenciados pela publicidade veiculada nos jornais em que trabalham, os juízes não são influenciados por patrocinadores de eventos. Além disso, durante o encontro eles ouviram pontos de vista divergentes.


3) A senadora estava representando um setor produtivo da sociedade, da qual é presidente, e o assunto se ateve ao tema proposto. Naquele auditório ela não estava participando de um julgamento, e sim de um debate cujo o tema foi Código Florestal e Desenvolvimento Sustentável. Se verdadeira, a premissa da pergunta proibiria os juízes de ter contato com qualquer pessoa em qualquer local, visto que todos estão sujeitos a sofrer processos. É como achar que o juiz deve viver isolado.


4) Os recursos foram aplicados na organização e infra-estrutura do evento. Cada juiz pagou sua própria despesa, como passagem, hospedagem e, inclusive, inscrição. Além da CNA, várias outras entidades patrocinaram o evento.


JUÍZA DORA MARTINS: “INSUSTENTÁVEL A DEFESA DO IV ENAJE”


Diz a velha máxima: À mulher não basta ser só honesta; tem de parecer honesta. Por isso, ouvimos também a Associação de Juízes pela Democracia (ADJ).


“A questão dos patrocínios é bastante passível de crítica. Afinal, juízes têm de ser éticos e independentes, sem se influenciar pelo peso de suas ideologias”, afirma a juíza Dora Martins, da AJD. “Além de éticos, têm ainda a obrigação funcional de mostrar e não expor a imagem da Justiça a interpretações dúbias.”


“Não creio que os juízes fiquem de mãos e consciência amarradas só por conta do patrocínio. Porém, publicamente, isso depõe contra a imagem do Poder Judiciário”, diz Dora Martins.” A partir do momento em que no nosso sistema, capitalista, impera o poder do ‘poder’ e do dinheiro, fica insustentável a defesa de um evento como IV Enaje, do jeito que foi elaborado.”

“De modo algum, os juízes que porventura estiveram no tal evento são passíveis de crítica ou qualquer forma de acusação no seu desempenho funcional”, salienta Dora Martins. “Porém, parece-me desnecessário a exposição da magistratura nacional a esse tipo de situação, evitável, e que, trazida ao conhecimento público, permite ser interpretada de todos (e qualquer) os modos.”


“A independência judicial é o bem mais caro que todo juiz deve ter, zelar e lutar”, arremata.


“Tudo o que possa colocar isso em risco deve ser afastado, evitado e rejeitado.


A transparência é outra virtude a ser buscada no exercício dos poderes do Estado, inclusive no poder Judiciário.”

Lula participa do batismo do 3º grande navio construído no Brasil após retomada da indústria naval.




Ao participar ontem do batismo e lançamento ao mar do navio Sérgio Buarque de Holanda, no Estaleiro Mauá, em Niterói, com direito a vídeo institucional que retrata o papel de Lula na revitalização da indústria naval, o presidente chegou a chorar: recebeu homenagens do Sindicato dos Estaleiros, ganhou um timão do presidente da Transpetro, Sérgio Machado, posou para fotos com metalúrgicos e até fez imitação dele mesmo, com o chavão “companheiros e companheiras”.
Miúcha, filha de Sérgio Buarque de Holanda, contou histórias sobre o pai, que dá nome ao navio, um “apaixonado por navios”, e recebeu de Lula um recado para o irmão Chico, que não compareceu. “Diga ao Chico que eu agradeço a força que ele deu para a Dilma na reunião dos artistas”.
O ano de 2010 marca o renascimento da indústria naval brasileira, após 13 anos sem um único navio de grande porte. Este ano foram lançados ao mar o petroleiro tipo Suezmax João Cândido, no Estaleiro Atlântico Sul, em Pernambuco, e o Celso Furtado, no Estaleiro Mauá.
Uma senhora madrinha
O navio Sérgio Buarque de Holanda é o terceiro navio do Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef) e se destina ao transporte de produtos derivados claros de petróleo. Tem 183 metros de comprimento — o equivalente a dois campos de futebol — e atingiu 68,8% de nacionalização na construção.
Em uma prévia do Dia Internacional da Não-Violência contra as Mulheres, dia 25 de novembro, a madrinha do navio foi Maria da Penha Maia Fernandes, que deu origem à lei homônima para punir a violência doméstica e contra a mulher. Representando os trabalhadores, a soldadora Márcia do Nascimento contou sua história: “Eu era faxineira. Fiz curso de solda e tive a oportunidade de trabalhar aqui ”.
Lula diz que Dilma tratará Rio melhor que ele
“Embora o presidente tenha que cuidar de todos os estados brasileiros, nós temos que lembrar que o Rio de Janeiro perdeu muito quando a capital saiu daqui. Sérgio (Cabral), você pode ter certeza de que a companheira Dilma vai tratar você melhor do que eu tratei. E o Rio de Janeiro vai continuar recebendo tudo aquilo que ele tem direito”, prometeu o presidente, abraçando o governador.
Sérgio Cabral quer promover festa popular “Obrigado, Lula” no Sambódromo
O governador do Rio anunciou no evento que no dia 20 de dezembro vai promover, no Sambódromo, uma grande festa com artistas intitulada “Obrigado, Lula”. (om informações do Jornal O Dia)


TRF manda juíza parar de boicotar o ENEM.


Haddad: é duro levar o pobre à faculdade



O Conversa Afiada reproduz notícia do UOL:
TRF derruba decisão que permitia que todos que se sentissem prejudicados refizessem o Enem
Da Redação
Em São Paulo

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife, derrubou nesta quinta-feira (18) a liminar da Justiça Federal no Ceará que permitia que todos os alunos que se sentiram prejudicados pelas falhas no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2010 pudessem refazer a prova. A decisão atende a um pedido da AGU (Advocacia Geral da União), protocolado nesta quinta.

Na liminar de ontem, a juíza Karla de Almeida Miranda Maia, da 7ª Vara Federal, determinava, também, a prorrogação do prazo para fazer o requerimento da prova até a próxima sexta-feira (26). Com a derrubada da decisão, o prazo volta a ser esta sexta-feira (19), até 23h59. O MEC, informado da decisão, afirmou que toda a programação está inalterada e que vai procurar atender os alunos prejudicados.

De acordo com a AGU (Advocacia Geral da União), em nota divulgada pelo MEC (Ministério da Educação) na quarta, as medidas já tomadas são “justas”:

“A AGU entende que as providências adotadas pelo Ministério da Educação no sentido de permitir aos alunos eventualmente prejudicados que requeiram a correção invertida, através de requerimento eletrônico disponível no site do Inep [Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais], e a possibilidade de nova prova para quem não teve o caderno de questões amarelo com defeitos de impressão substituído pelos fiscais, é a medida mais justa para assegurar o direito aos alunos prejudicados, sem prejuízo daqueles que fizeram a prova regularmente, ou da apuração de outras ocorrências registradas em ata”, afirma o ministério.
(…)

Clique aqui para ler “O que quer a juíza Karla ? Fechar o ENEM ?”
E aqui para ler “O PiG e o Serra odeiam o ENEM por causa dos pobres”.
E também aqui para ler “Exame de SP leva bomba !”

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Vídeo assustador: Globo de SC tem ódio de pobre.




Prates: a Classe "C" são uns "miseráveis"

Amigo navegante viu, entre os comentários do post “Xenofobia e homofobia: onde isso vai parar?”, referência a esse comentário de um “comentarista” da Globo de Santa Catarina, a RBS, que despeja ódio contra a Classe “C”, que passou a ter carro.

Foi nisso que deu trazer o vaso sanitário para a sala de jantar onde, em Santa Catarina, alguns aparelhos de televisão ainda estão sintonizados na Globo.

O preconceito é a doença infantil do racismo.

Paulo Henrique Amorim
O Conversa Afiada reproduz vídeo enviado pela amiga navegante Vanessa:


http://www.conversaafiada.com.br/video/2010/11/16/video-sensacional-a-capa-que-a-veja-nao-deu/


O que a Folha quer com a ficha da Dilma ?


Na foto, o que a Folha quer fazer da Dilma




Primeiro, o que a Folha (*) queria ?
A Folha queria abrir o passado da Dilma durante a campanha presidencial e ajudar o Serra e o índio a pendurar nas costas da Dilma o estigma de matar adultos, além de matar criancinhas.
O capítulo das criancinhas foi aberto pela Grande Estadista chileno-brasileira Mônica Serra.

O STM não deixou a Folha ajudar o Serra nesse aspecto.
Com a surra que a Dilma aplicou no Serra – 56% a 44% – o que a Folha agora quer ?

Primeiro, ir à forra da ficha falsa.
A Folha publicou uma ficha falsa da Dilma, que se tornou uma das notáveis “barrigas” da Imprensa Mundial.
A Folha vai tentar demonstrar que a ficha falsa é verdadeira.

Segundo, a Folha quer pegar a Dilma na mentira.
A Dilma e inúmeros colegas de militância asseguram que a Dilma não participou de nenhuma ação armada.
A Folha vai querer mostrar que a Dilma pegou em armas, roubou o cofre do Ademar, matou criancinhas, e derrubou as Torres Gêmeas.

Terceiro, a Folha quer desmoralizar a Dilma e reproduzir declarações e situações nascidas no processo de tortura.

Quarto, a Folha quer dar legitimidade a uma máquina repressiva e judicial construída no regime militar.

Quinto, a Folha quer re-instalar o regime militar e seus mecanismos no regime democrático que a Dilma respeitou e no qual se tornou vitoriosa.

Sexto, a Folha quer reestabelecer a legitimidade das práticas do regime militar a que ela, a Folha, serviu com devoção e fidelidade.
Serviu de diversas maneiras.
Serviu quando cedeu os carros de reportagem para transportar torturadores e vítimas de torturadores.
Serviu ao transformar seus jornais em instrumentos da repressão e da ocultação de crimes hediondos.

Sétimo, a Folha quer constranger a Dilma.
A Folha quer fazer o que o senador Agripino Maia não conseguiu: transformar o Regime Militar num regime constitucional inglês e a Dilma numa terrorista.

Oitavo, a Folha avisa à presidente eleita que a combaterá sem tréguas.
Nono, a Folha quer impedir que a Dilma faça uma Ley de Medios.

Décimo, para a Folha, a Dilma é o Marighella, que será abatido num cruzamento dos Jardins, entre a Avenida Paulista e a Rua Estados Unidos.

Paulo Henrique Amorim

(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que matou o Tuma e depois o ressuscitou; e que é o que é, porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

Paulo Henrique Amorim vence mais uma no TSE.



Por unanimidade, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acompanhou voto do ministro Henrique Neves, e julgou improcedente a representação do Ministério Público Eleitoral (MPE) contra o jornalista Paulo Henrique Amorim.
A representação ajuizada pelo MPE partiu da denúncia de "uma eleitora" contra o jornalista Paulo Henrique Amorim e a empresa PHA Comunicação e Serviços. Sustentou a ação que ambos teriam promovido propaganda eleitoral em favor de Dilma Rousseff.
No dia 26 de outubro último, o relator da representação, ministro Henrique Neves, julgou improcedente a ação. Hoje o caso foi levado a plenário e a decisão do relator, mantida.
O ministro relator observou que a divulgação da publicidade questionada deve ser considerada como divulgação de informação. “Não cabe nem à lei nem ao Poder Judiciário definir qual matéria jornalística ou informação deve ser publicada e divulgada pela imprensa seja ela escrita ou eletrônica”, afirmou Henrique Neves.
No caso deve prevalecer a liberdade de imprensa, garantida no artigo 220 da Constituição Federal.
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) firmou entendimento de que a proibição de veiculação de propaganda eleitoral, ainda que gratuitamente, em sítios mantidos por pessoas jurídicas não alcança matérias jornalísticas. (Com informações da Agência TSE)

Nunca os pobres viajaram tanto como agora, no governo Lula.



Um ano de pois de lançado, o ViajaNet, um dos primeiros sites de viagens online a focar nos consumidores das classes C e D, amplia faturamento e atrai investidores.

A empresa acaba de receber aporte financeiro, de valor não informado, de dois grupos estrangeiros, o espanhol IG Expansion e o americano Redpoint Venture Capital. Os novos sócios passam a ter 40% da operação.

O faturamento previsto para 2010, de R$ 12 milhões, foi superado nos primeiros meses da operação. A previsão, agora, é de fechar 2010 com vendas de R$ 55 milhões.

"Nosso site despertou a atenção, não só pelo resultado, mas também por ser muito focado no novo consumidor de turismo", diz o sócio-fundador do ViajaNet, Bob Rossato. Conforme pesquisa feita pelo portal, de cada 100 passagens ou pacotes vendidos pelo site, 63 são comprados por consumidores das classes C e D.

No Viajanet, se o usuário digitar como destino "Maiami", o sistema entende que o o consumidor está se referindo a Miami, nos Estados Unidos. "Toda linguagem é direcionada ao cliente C e D", explica Alex Todres, também sócio-fundador da agência. No Serviço de Atendimento ao Cliente, os atendentes são treinados a falar bilhete de viagem em vez de "e-ticket" e balcão de atendimento da companhia aérea no aeroporto em vez de "check in". "Muitos consumidores não conhecem essas expressões", diz Todres. Outra ideia dos sócios que agradou o consumidor do site foi a ferramenta "Busca Preço", pela qual são selecionadas as passagens mais baratas de cada mês. "Assim o cliente pode escolher que dia poderá viajar pagando menos", diz Todres.

Toda essa experiência com o público de menor renda, os dois executivos conquistaram estudando o comportamento do consumidor de baixa renda e também durante a passagem que tiveram pelo PanAmericano Viagens (do banco do Grupo Silvio Santos, atualmente sob intervenção). Antes disso, haviam trabalhado no site Decolar.com - hoje um dos maiores sites do setor, à frente do Submarino Viagens.

O Viajanet, segundo os dois sócios, quer brigar de igual para igual com seus rivais. "Nossa previsão para o ano que vem é chegar a R$ 220 milhões - quatro vezes mais que o previsto para 2010." Com o aporte dos dois fundos de investimento, o ViajaNet pretende expandir sua atuação para outros países da América Latina. "Esse é um mercado que agora temos estrutura para explorar, mas ainda não temos nada planejado", diz Rossato.

O Viajanet foi fundado pelos dois sócios em novembro de 2009, com investimento de R$ 1 milhão e participação do fundo americano Travel Investment Technology. A atual composição acionária da empresa não foi revelada.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Silvio obriga a Dilma a fazer a Ley de Medios.


Chatô inaugura a Tupi. O Silvio não é o Chatô

O Vasco acaba de chegar de alto mar.
Trata-se, como se sabe, de Vasco Moscoso de Aragão, amigo navegante de longo curso.
Fomos tomar café da manhã na Padaria Aracaju.
Este ordinário blogueiro contém-se num sanduíche de peito de peru no pão integral.
O Vasco ataca um “Sem Juízo”: pão na manteiga na chapa, sem miolo, sem cérebro, uma especialidade da casa (portuguesa), do bairro de Higienópolis, em São Paulo, onde mora o Fernando Henrique.
- Vasco, e o Silvio ?, pergunto.
- Você quer dizer o Madoff.
- O que ? O Madoff americano ? Não, quero saber do Silvio Santos.
- É a mesma coisa.
- Como assim, pergunto estupefato.
- A mesma coisa, responde o Vasco, já com a mão toda lambuzada de manteiga.
- Pera aí. O Madoff era uma pirâmide. Um “esquema Ponze”.
- O Silvio era a mesma coisa. Ele vendia um ativo e não dava baixa. Precisava de dinheiro, vendia outro fundo e não dava baixa. E o PanAmericano lucrava indefinidamente.
- E na verdade não era lucro. É isso ?
- Não era lucro nenhum. Era espuma.
- Mas, o Silvio se gabava de ser o maior pagador de imposto de renda do Brasil.
- Por isso. Ele pagava imposto sobre lucro fictício.
- É mesmo ?
- E quando faltava dinheiro em algum lugar, ele ia lá e vendia outro fundo.
- E não dava baixa.
- E não dava baixa.
- Então, era assim que ele cobria os buracos no SBT.
- No SBT e em qualquer outro lugar. Faltava dinheiro, ele vendia um fundo. E uma mão lavava a outra.
- Quer dizer, então, que o banco e o SBT, no fundo, no fundo, eram a mesma coisa.
- Isso mesmo. O Silvio usou uma concessão de serviço público, uma rede de televisão, para operar um esquema de trânsito de fluxos financeiros totalmente irregular.
- Mas, Vasco, por que o Silvio, com 80 anos, não vendeu esse rolo antes ?
- Porque é um rolo. Como é que ele ia vender ? O futuro comprador abria as contas e descobria o rolo. Não dava. Ele não ia vender nunca.
- E se (*) e quando ele morrer ?, pergunto.
- Se e quando ele morrer, o SBT acabaria.
- E o Ministro das Comunicações, o Hélio Costa, preocupado com a política municipal de Barbacena.
- O Ministério das Comunicações não vê nada. E o Banco Central também não. Mas, os bancos que compravam fundos do banco do Silvio sabiam de tudo.
- Vocês acha que sabiam, Vasco ?
- Claro. Você acha que eles não olham para o balanço do outro. Você acha que eles não percebiam que o Silvio vendia e não dava baixa ? Fazia que não tinha vendido e lucrava em cima do que não tinha mais ? O Itaú e o Bradesco não percebiam ? O único bobo dessa história é o Banco Central.
- É …
- E o problema não é quem vai ficar com o PanAmericano, mas quem vai ficar com a televisão.
- Ué, fica quem der o que o Silvio quer …
- Só o Otavinho acha que alguém vai dar R$ 2,5 bilhões ao Silvio para comprar o SBT. Ele não sabe o que são R$ 2,5 bilhões.
- Quem vai ficar com o SBT ?
- Aí é que está. Quem tem banco e empresa de telefonia ao mesmo tempo ?
- Não sei, Vasco.
- Os portugueses da Portugal Telecom, que estão cheios de grana, com a venda da Vivo.
- O que eles têm ?
- Eles são donos da Oi, uma empresa de telefonia.
- Vasco, você sabe como o pessoal da Globo chama a Oi , Vasco ?
- Não.
- Um pangaré brasileiro com um ginete português.
- Vamos falar sério, meu filho. Eles são donos da Oi, também são donos do iG. Têm 40% do UOL. E têm um banquinho por trás, o Espírito Santo.
- Então, eles podem ficar com o PanAmericano e com o SBT.
- Você quer matar os filhos do Roberto Marinho do coração.
- Ué, mas isso é o óbvio: os portugueses estão nas duas pontas do negócio do Silvio.
- Meu filho, você chegou aonde eu queria chegar.
- Eu ?
- Você sabe quem vai pedir à Dilma uma Ley de Medios ?
- o Franklin.
- Não seja tolo, meu filho. Vai ser a Globo.
- A Globo ?
- Claro. Já imaginou se os portugueses ficam com o banco e a televisão do Silvio ?
- Vai ter que ter uma regra.
- Vai ter que ter uma Ley de Medios.
- Você acha que a Dilma vai correr o risco de entregar uma rede de televisão ao Adolpho Bloch e ao Silvio, como os militares fizeram com o espólio do Chateaubriand ? Ela vai ter muito cuidado com a distribuição do espólio do Sílvio. Por isso que a Ley de Medios é inevitável.
- Quer dizer que o Silvio salvou a Globo.
- A Globo e a Dilma, sentenciou o Vasco, lambendo os beiços.
Pano rápido(*) Quem dizia SE eu morrer era o Roberto Marinho – contava-se na Globo.