quinta-feira, 30 de junho de 2011

Depois do "esqueçam o que escrevi" o "esqueçam o que assinei sem ler"



FHC diz que assinou sem ler decreto de sigilo eternoO ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso afirmou nesta quinta-feira que assinou o decreto que cria o sigilo eterno em relação a determinados documentos produzidos pelo governo sem saber do que se tratava.


"Fiz sem tomar conhecimento. Foi no último dia do mandato, tinha uma pilha de documentos e eu só vi dois anos depois. O que é isso? Mandei reconstituir para saber o que era", afirmou FHC ao chegar ao gabinete do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).O fim do sigilo eterno está em discussão no Senado.


O tucano, que acaba de completar 80 anos, será homenageado hoje no Senado. Um auditório da casa foi todo decorado com painéis que classificam FHC de "estadista do novo Brasil".


Site do PT que a UOL disse ter sido "invadido por hacker" está hospedado no próprio UOL:



O site http://www.pt.org.br/ que o UOL disse ter sido "invadido por hacker" ano passado está hospedado no próprio UOL:
"(...)
ISP of this IP [?]: Universo Online S.A.
Organization: Universo Online S.A.
http://www.ip-adress.com/ip_tracer/187.61.5.234
"30/06/2011 - 12h20


PT confirma que hackers invadiram site do partido antes da eleição


FERNANDA ODILLA

DE BRASÍLIA


O diretório nacional do PT confirmou hoje, por meio da assessoria de imprensa, que teve o site invadido por um hacker antes da eleição, no primeiro semestre do ano passado.


Segundo o partido, a estratégia usada pelo hacker foi obter informações pessoais de quem navegava no site.


O partido informou que comunicou a invasão à Polícia Federal para que fossem tomadas providências.


A Folha revelou na edição de hoje que um hacker invadiu o correio eletrônico pessoal da presidente Dilma Rousseff e copiou e-mails que ela recebeu durante sua campanha à Presidência da República


A reportagem encontrou-se com o hacker segunda-feira, num shopping de Taguatinga (DF), a 20 km de Brasília. Ele não quis se identificar. Disse que se chama "Douglas", está desempregado, mora na cidade e tem 21 anos.


Ele afirmou que fez um ataque ao computador pessoal da então candidata em duas etapas e copiou cerca de 600 mensagens da sua caixa de entrada. Um dos e-mails que Dilma usava na época era do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha.


"Douglas" disse à Folha que primeiro invadiu o site do diretório nacional do PT na internet e se aproveitou de uma vulnerabilidade da página para copiar e-mails pessoais de petistas e outros dados.


O PT também informou que detectou ano passado a ação de hackers que desfiguravam a página inicial do partido colocando fotos e dizeres.


"Douglas" também disse que violou o e-mail do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. O petista, que está na Europa, afirmou que detectou a invasão de sua caixa postal no UOL e mandou registrar a ocorrência na polícia. Dirceu diz que seu e-mail pessoal foi invadido por volta das 2h da manhã da última segunda." Aqui na Folha


Enviado por Stanley Burburinho


“Hacker” da Folha é um tiro no pé




A Folha publica hoje que um “hacker” invadiu o computador pessoal da então candidata à Presidência da República e o do ex-ministro José Dirceu, e tentou vender dados sobre a correpondência de cada um deles ao PSDB e ao PFL.


Historinha mal-contada.


O tal hacker não invadiu o computador de ambos, mas os do UOL, pertencente à empresa que edita a Folha, onde estavam armazenadas as mensagens. Aliás, nem a matéria o nega.


No caso do ministro Dirceu, o “sofisticadíssimo” método de invasão foi dar um telefonema para o UOL e, dizendo ter perdido a senha, conseguir outra que permitiu o acesso à caixa postal.


Qualquer sistema be-a-bá de caixa postal não fornece isso, a não ser para outro e-mail registrado na abertura da conta.


Eu, se tivesse uma conta de e-mail no provedor UOL, a encerraria hoje mesmo.


A matéria bem que poderia ter um título do tipo “UOL permite violação da privacidade de seus clientes”.
Mas aquilo que é mais grave é que a Folha se tornou cúmplice da violação, ao divulgar conteúdo de natureza pessoal e privada, sem nenhuma questão que envolvesse o interesse público.


Diz que o “hacker” pediu dinheiro ao PSDB e ao DEM, e não diz a quem foi pedido. Nem sequer registra que ele se negou a dar nomes.


A matéria não é uma reportagem, é uma confissão.


E ainda tem um projeto determinando que os provedores guardem os dados de acesso e conteúdo de seus usuários, vejam só…


Depois da ficha falsa de Dilma, ficamos sabendo agora que a Folha acha “normal” violar dados de caixas postais do servidor que pertence a ela mesma…


quarta-feira, 29 de junho de 2011

MP de São Paulo diz que vai investigar aumento de 62% no salário do prefeito Kassab. Acredita?



O Ministério Público Estadual (MPE) vai investigar o aumento de 62% no salário do prefeito Gilberto Kassab, de saída do DEM para criar o PSD. Sua remuneração subiu de R$ 12,3 mil para R$ 20 mil em fevereiro deste ano, graças a um decreto legislativo de 1992 que vincula o salário do prefeito a 75% dos vencimentos dos deputados estaduais. Para o MPE, há indícios de que a regra seja irregular.


O aumento no salário do prefeito foi revelado após o Jornal da Tarde o questionar sobre o valor na manhã de segunda-feira (27). Na ocasião, Kassab negou estar recebendo R$ 20 mil, mas sua assessoria o desmentiu no início da noite e atribuiu o aumento ao decreto. Uma resolução similar, também de 1992, foi usada pelos vereadores paulistanos para aumentar seus salários no início deste ano e já foi considerada inconstitucional pela Promotoria, que entrou na Justiça contra a medida.


O secretário da Promotoria do Patrimônio Público e Social, promotor Saad Mazloum, afirmou que vai abrir um procedimento investigatório para apurar se o aumento do salário de Kassab fere alguma legislação superior. “Vou distribuir esse caso na Promotoria para apurar a efetiva ocorrência de irregularidade ou ilegalidade”, afirmou.


No caso da resolução considerada ilegal com a qual os vereadores tentaram elevar seus salários, o MPE entendeu que ela estava em desacordo com a constituição estadual, que proíbe qualquer “vinculação ou equiparação de vencimentos” de servidores públicos – o salário dos vereadores também estava atrelado ao dos deputados estaduais.


Segundo o promotor Luiz Ambra Neto, responsável pelo inquérito dos vereadores, a investigação sobre o aumento do salário do prefeito possivelmente será no mesmo sentido. “Se a situação for a mesma, pode haver alguma irregularidade. Mas não vou me antecipar”, afirmou.


No caso do aumento de Kassab, há também outros problemas – a Lei Orgânica do Município diz que cabe exclusivamente à Câmara Municipal determinar a cada exercício o salário do prefeito e que isso tem de ser feito por meio de lei, sem mencionar a possibilidade de decreto.


Nova promessa


Ontem, Kassab disse não ver nenhuma irregularidade no seu aumento. “Se vier a barrar, se entender assim, terá que barrar o que receberam os prefeitos nos últimos 20 anos”, alegou. O prefeito afirmou que, caso seja esse o entendimento, ele devolveria o salário aos cofres públicos. “Mas não acredito que haja ilegalidade.”


Kassab voltou a defender o projeto de lei de autoria da Câmara Municipal que aumenta o seu salário para R$ 24,1 mil e o dos secretários para R$ 19,3 mil, revelado pelo JT semana passada. “Quero deixar como legado para a cidade”. Ele disse que se a proposta for aprovada, vai doar o valor referente ao aumento.


No fim do ano passado, contudo, quando a Câmara votou projeto de o reajuste para R$ 24,1 mil, o prefeito havia feito a mesma promessa. A proposta foi rejeitada à época, mas no início deste ano ele próprio se deu aumento.


Dilma fez um gol na banda larga:Em seis meses de governo,uma negociação com as teles levará a internet ao andar de baixo


O GOVERNO DESATOU o nó da expansão do acesso à internet de banda larga em todos os municípios brasileiros. No anedotário de Brasília, essa iniciativa era conhecida como “Xodó 2.0″ de Dilma Rousseff. É boa notícia para ninguém botar defeito.


Depois de uma negociação com as operadoras, chegou-se a um acordo pelo qual até 2014 todas as cidades brasileiras terão conexões rápidas.


Cumprida a meta, será uma das joias da coroa do atual governo. O serviço, com 1 megabyte de velocidade, custará R$ 35 por mês, ou R$ 29, caso os governos estaduais abram mão da cobrança do ICMS.




Hackers atacaram pelo menos 200 sites oficiais do governo, nenhum de políticos de oposição. Você não acha estranho?



O diretor-presidente do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Marcos Mazoni, afirmou ontem que a onda de ataques de hackers contra sites do governo federal continua. Ele garantiu, porém, que não houve invasão ao banco de dados de sites administrados pelo Serpro.O mais estranho de tudo isso é que, os hackres começaram atacar o governo do PT justamente em vesperas de voração do projeto do senador tucano Eduardo Azeredo, restringindo a liberdade na rede web. O que mais se estranha ainda é o hacker atacar somente sites do governo federal e políticos do PT, ou da base aliada.


Segundo Mazoni, os ataques, que começaram há uma semana, tiveram como alvos os sites da Presidência da República e da Receita Federal. "Desde então, os ataques não pararam até o presente momento", disse. Ao todo, mais de 200 sites foram atacados, incluindo sites de executivos municipais.


Apesar do estado de atenção, Mazoni garantiu que em nenhum dos sites hospedados pelo Serpro houve invasão ao banco de dados e que as informações divulgadas por algumas redes sociais são públicas e estão disponíveis na internet.


Mazoni afirmou ainda que o Serpro já estava trabalhando em um modelo mais avançado de segurança que permitirá identificar os autores deste tipo de ataques no futuro. E destacou que a ação tem provocado prejuízos aos cofres públicos e, por isso, deve ser entendida como criminosa.


Mercadante passeia



A oposição não desistiu de investigar o ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e deve tentar convocar o ex-senador para prestar esclarecimentos na Câmara. Apontado como um dos responsáveis pelo dossiê dos aloprados, desmontado em 2006, ele depôs ontem no Senado, mas foi arguido por apenas três senadores oposicionistas. Agora, DEM e PSDB articulam nova convocação de Mercadante na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara. Além disso, os tucanos também pediram que outros três petistas envolvidos no episódio prestem esclarecimentos no Senado.


O depoimento de Mercadante à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado foi o melhor dos mundos para o atual ministro, por iniciativa da própria oposição. Dos seis parlamentares oposicionistas, apenas os tucanos Álvaro Dias (PR) e Aloysio Nunes (SP), além de Marinor Brito (PSol-PA), fizeram algum tipo de questionamento. Nenhum parlamentar do DEM compareceu. Sem adversários, Mercadante navegou sob calmaria. "Não devo e não temo o debate. O fato já foi fartamente investigado e meu nome nem sequer estava no relatório final da CPMI (que apurou as denúncias)", defendeu-se. O ministro apontou que a Procuradoria-Geral da República deu parecer apontando que não havia encontrado indício de sua participação no caso.


Em franca desvantagem numérica, os oposicionistas buscaram reforçar a necessidade de reabertura das investigações. "Antes não havia provas (contra Mercadante), mas agora há uma prova testemunhal. No mínimo pede a reabertura do inquérito. Essa comissão foi uma estratégia adotada para esvaziar ações de explicações, como a da Câmara", reclamou Dias. A revista Veja publicou supostos diálogos em que o atual secretário de Desenvolvimento Econômico do DF, Expedito Veloso, aponta a participação do ministro na confecção do dossiê, em parceria com o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia, falecido no ano passado.


Também teriam participado de diálogos sobre o escândalo dos aloprados a ex-senadora Serys Shlessarenko (PT-MT) e a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti. Nas conversas, teria sido apontado o envolvimento de Mercadante com a elaboração do dossiê contra o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra (PSDB). O material ligava o tucano a um esquema de fraudes em licitações do Ministério da Saúde. Membros do comitê de Mercadante foram presos às vésperas das eleições de 2006 tentando comprar o dossiê, por R$ 1,75 milhão.


Sem condições de pressionar o ministro em uma comissão governista, o líder tucano, Álvaro Dias, ainda sugeriu um acordo a Mercadante. Disse que, se o ministro topasse dar novos esclarecimentos à Câmara, não apresentaria requerimentos convocando Veloso, Serys e Ideli — o acordo não foi fechado. "Se Quércia estivesse vivo, isso (acusações) não parava em pé nem por meia hora", disse Mercadante. Sem consenso, Dias apresentou os requerimentos com convite aos três políticos para que eles prestem esclarecimentos na CAE.


Dilma promete atenção aos pequenos


A presidente Dilma Rousseff disse ontem a senadores da base aliada que pretende assegurar na proposta do novo Código Florestal um "tratamento diferenciado" aos pequenos produtores. Em almoço com nove parlamentares do PCdoB, do PSB e do PDT, Dilma falou da possibilidade de flexibilizar a recuperação de áreas de preservação permanente e de conceder incentivos para a recuperação de áreas degradadas em pequenas propriedades. A proposta do novo código tramita no Senado. "Não vamos admitir anistia a desmatadores ilegais", disse a presidente aos senadores.


"Devo e não temo o debate. O fato já foi fartamente investigado e meu nome nem sequer estava no relatório final da CPMI"(Aloizio Mercadante, ministro da Ciência e Tecnologia)


Correio


terça-feira, 28 de junho de 2011

Novo campo no pré-sal. E por que a pressa em licitar?




A imprensa está noticiando a nova descoberta de petróleo no pré-sal, feita pelo consórcio Repsol (Espanha), Sinopec (China), Statoil (Noruega) e Petrobras, esta com apenas 30% dos direitos.


É coisa grande, mesmo não tendo sido informado o volume exato da descoberta. E os indícios são de óleo de boa qualidade e, por isso, de alto valor. Como foi afirmado que “é a principal realizada no pré-sal da Bacia de Campos”, é certo que tem grandes dimensões, já que existem campos em desenvolvimento na região, como o Tracajás, no campo de Marlim Leste, que entrou em testes de longa duração com produção de 23 mil barris diários, o que é um grande volume.


As reservas do pré-sal em Campos – que são bem menores que as da Bacia de Santos – já foram reestimadas para até 5 bilhões de barris-equivalentes de petróleo.


E podem ser ainda maiores, porque – mesmo com toda a tecnologia de prospecção – petróleo ainda tem suas incógnitas, tanto que esta descoberta foi feita no segundo poço exploratório, pois o primeiro fracassou.


Estas áreas, já licitadas, ficam fora das novas regras de exploração.


Mas, como a Petrobras tem cerca de 40% da área já licitada do pré-sal, dá para entender como a companhia está sendo exigida ao máximo, em trabalho, tecnologia e capital.


Logo, não tem o mesmo fôlego para novas licitações.


Nem o país precisa, dada sua capacidade estrangulada de refino, de outros aumentos de produção além dos enormes volumes que começam já a sair das áreas do pré-sal que entram em produção.


Portanto, é difícil explicar a necessidade de se promover uma nova “rodada” de concessões, mesmo deixando fora dela áreas pertencentes ao pré-sal. As áreas possivelmente integrantes do lote serão ao norte do país, na zona equatorial. Mesmo em volumes menores, já se sabe que lá há petróleo valioso, de alta qualidade. E numa localização que tem vantagens enormes se pensarmos nas refinarias Premium I e Premium II, no Maranhão e no Ceará.


É óbvio que a capacidade da Petrobras de arrematar e desenvolver novas áreas tem limites.


É bom que o Conselho Nacional de Política Energética, de quem depende a seleção final dos blocos e da data da licitação leve isso em conta.


Essa rica jazida hoje descoberta, licitada antes de sabermos que havia a camada de petróleo pré-sal, em 2005, deve servir de advertência.


Em se tratando de petróleo, é melhor deixar para amanhã o que um país não pode fazer hoje sem ter de abrir mão da parte do leão.


Aécio pendura mais um tucano desempregado na conta do contribuinte mineiro

O consumidor mineiro da CEMIG que paga sua conta de luz e impostos com o suor do seu trabalho está sendo obrigado a sustentar um político tucano desempregado de Mato Grosso.

O ex-prefeito de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB/MG), ganhou a boquinha de consultor na estrutura da estatal CEMIG (Centrais Elétricas de Minas Gerais), alojado no Conselho Consultivo da Taesa – Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. (Controlada pela CEMIG).


O convite para o cargo teve o apadrinhamento do senador Aécio Neves (PSDB/MG) e do governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, ambos do PSDB.


Desta forma, Aécio Neves repete a fórmula utilizada por José Serra (PSDB/SP), quando era governador de São Paulo, de nomear “companheiros” desempregados do Brasil inteiro, em troca do apoio para sua candidatura a presidência em 2010.


Santos confirmou que o povo de Minas Gerais lhe paga um salário de aproximadamente R$ 10 mil mensais para participar de uma reunião por mês. (Com informações do Hipernotícias)


Urubólogos quebram a cara: Concursos federais continuam bombando




Deu no jornal "O Dia" do Rio de Janeiro: "Listão de concursos tem 50 mil oportunidades" - "União, Estado e municípios oferecem 50.074 chances"A lista extensa inclui vagas desde as prefeituras do estado do Rio. Selecionamos alguns números das vagas federais para ilustrar o quanto o noticiário terrorista dos urubólogos no início do ano foi mentiroso (e o pior é que muita gente boa que apoiou Dilma nas eleições passadas ainda anda acreditando e reproduzindo estes noticiários, e ficando contra a Presidenta com base em "reporCagens"):


AERONÁUTICA

Vagas: 215

Escolaridade: Nível Fundamental

Prazo: 4 de julho



INFRAERO

Vagas: cadastro reserva

Escolaridade: níveis Médio e Superior

Salário: até R$ 4,8 mil Prazo: até as 14h de 8 de julho



FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS — FINEP

Vagas: cadastro de reserva

Escolaridade: níveis Médio e Superior

Salário: R$ 6 mil Prazo: até 3 de julho

Edital:www.cesgranrio.org.br


CONCURSOS PREVISTOS


UNIVERSIDADES FEDERAIS Vagas: cerca de 13 mil

Escolaridade: Nível Superior

Salário: de R$ 782,50 a R$ 3.916,88


IBGE — TEMPORÁRIOS

Vagas: 4.400 Escolaridade: níveis Médio e Superior

Edital: previsto para julho


MINISTÉRIO DO TRABALHO

Vagas: 600

Escolaridade: Nível Superior

Salário: R$ 13 mil Prazo: em 2012


INSS — PERITOS

Vagas: 500

Escolaridade: Nível Superior

Salário: R$ 4 mil


POLÍCIA FEDERAL

Vagas: 1.352

Escolaridade: Nível Superior

Salário: R$ 7.514, 33


Para conferir os concursos do Estado e das Prefeituras leia aqui.


Imprensa blinda relações de Aécio Neves com dono da empreiteira Delta





O que Aécio Neves (PDSB/MG) tem, que Sérgio Cabral (PMDB/RJ) não tem?

Um trágico acidente de helicóptero em Trancoso, na Bahia, revelou que o governador Sérgio Cabral (PMDB/RJ) ia a uma festa de aniversário de Fernando Cavendish, dono da empreiteira Delta. A empreiteira tem obras junto ao governo do Rio. Não há no noticiário nenhuma acusação de fato contra Sérgio Cabral, apenas as suspeitas de sempre, com base no teste de hipótese de que “se não é culpado, é bem possível que poderia ser”.


Realmente, seria o ideal e mais prudente a um governador, manter uma distância pessoal maior de empreiteiros que tem contratos com o estado. Mas é estranho essa súbita cobrança da imprensa, quando o costume vem pelo menos desde D. Pedro II que convivia muito bem com o Barão de Mauá, e quando os próprios donos da imprensa sempre cultivaram “amizades” com governantes, sejam da ditadura, seja na era demo-tucana.


Mas o mais irônico, é que se Cabral é suspeito, então por que Aécio Neves (PSDB/SP) é louvado quando, em novembro de 2007, em pleno exercício do governo de Minas, frequentou a casa de Fernando Cavendish, em badalada festa, na Avenida Vieira Souto, no Rio?



Musa do Cansei,Ivete Sangalo é alvo de devassa da Justiça e da Receita





A esperta baiana Ivete Sangalo que se manifestou a favor do tal movimento Cansei, movimento das dondocas paulistas, e tornou-se garota-propaganda da Philips, e da campanha anti-governista, anti-Lulista e anti-petista disfarçada de movimento “cívico”. Ivete Sangalo continua querenedo levar vantagem em tudo…


Um processo contra Ivete Sangalo que se se arrasta desde janeiro ganhou novos capítulos na última semana.


O ex-baterista Antônio da Silva, conhecido como Toinho Batera, entrou com uma ação na Justiça dizendo que a cantora obrigou os músicos de sua banda a abrir uma empresa para não ter que contratá-los formalmente.


Ele pede indenização de R$ 5 milhões por danos trabalhistas. O caso corria em segredo de Justiça até a semana passada.


A denúncia de Batera foi feita após Ivete demiti-lo, em 2010. À época, ela fez uma auditoria em sua holding, a Caco de Telha. E descobriu, que havia um rombo financeiro, supostamente causado por seu irmão, Jesus Sangalo, que geria a empresa.


A 18ª Vara do Trabalho de Salvador tirou da cantora o direito ao sigilo do processo na quarta-feira, dia 15. Com isso, vem a público a série de determinações impostas pelo juiz desde janeiro.


No dia 16 de fevereiro, a Receita Federal abriu investigação contra a Banda do Bem, a empresa dos músicos que tocam com Ivete, “para verificação de possíveis indícios de irregularidade fiscal”.


Em junho, a juíza do caso, Lucyenne Veiga, determinou quebra de sigilo bancário da Banda do Bem. Mandou a agência do Bradesco em que a empresa tinha sua conta informar quem a abriu, quem a administra e como é sua movimentação financeira, “com máxima urgência”.


A juíza ordenou também que hotéis onde o baterista se hospedou em turnês com a cantora dissessem quem pagou as despesas. E mandou a Universal Music enviar “as autorizações de uso de imagem, os recibos de pagamentos de cachê e informar os CDs e DVDs efetivamente gravados [por Silva] ao longo da carreira” de Ivete.


Alguns hotéis e a gravadora não haviam respondido até o início de junho.


A defesa do baterista, autor da ação, afirma que a Banda do Bem não passa de “fachada”. “Estamos querendo provar que Ivete mandou abrir a empresa para não ter que registrar os músicos e pagar mais impostos”, diz o advogado Willer Tomaz.


Agressão


Batera afirma que, após ser demitido, tentou fazer um acordo com Jesus Sangalo, mas acabou sendo agredido.


O baterista alega que era empregado, e a Caco de Telha sustenta que ele era sócio de uma empresa, que trabalhava com autonomia, sem subordinação”.


Por Helena


Sem alarde, salário de Kassab tem alta de 62%



O prefeito Gilberto Kassab (sem partido) usou uma brecha jurídica de 1992 para aumentar em 62% seu salário no início do ano. Sua remuneração passou de R$ 12,3 mil para R$ 20 mil sem aprovação da Câmara Municipal – segundo a Lei Orgânica, a Casa possui competência exclusiva para fixar os subsídios do prefeito. A justificativa é um decreto legislativo de 1992 que atrela seu salário ao dos deputados estaduais.


Segundo o texto, a remuneração do prefeito passou a corresponder, a partir de janeiro de 1993, a 75% do salário dos deputados estaduais. Os parlamentares tiveram um aumento de 61,8% aprovados na Câmara dos Deputados em dezembro de 2010, junto com os deputados federais.

Uma resolução similar a essa e também aprovada em 1992 foi utilizada no início do ano para elevar os salários dos vereadores da capital, mas foi questionada pelo Ministério Público, que entrou com ação direta de inconstitucionalidade (Adin) contra a norma. A ação está sob análise da Justiça.


Desde janeiro de 2009, Kassab recebia salário de R$ 12,3 mil e não havia anunciado qualquer mudança na sua remuneração. O site da Prefeitura, porém, mostra que o prefeito ganha R$ 20 mi. Ontem de manhã, o JT o questionou pessoalmente sobre seu salário. O prefeito confirmou que recebia aproximadamente R$ 12 mil.


A Lei Orgânica do Município diz também que a remuneração do prefeito só poderá ser estabelecida por meio de lei, e não menciona a possibilidade de decreto.

Por Helena


DATENA AUMENTA AUDIÊNCIA DA TV RECORD E DERRUBA BAND E GLOBO.




Com apenas uma semana, após seu retorno à Record, José Luiz Datena está deixando loucos os diretores das TVs Bandeirantes e Globo. Datena com o seu programa “CIDADE ALERTA” elevou o ibope da TV Record em 41%, tirando boa parte do público de seu ex-programa na Band, o "Brasil Urgente", que perdeu metade de seu ibope, e sendo agora apresentado por Luciano Faccioli.


Antes da estréia de Datena, a Record registrava no horário do programa, uma média de 6,6 pontos no ibope, e agora atingiu a média de 9,3 pontos (média entre os dias 20 e 24 de junho).


A TV Bandeirantes com o seu programa, "Brasil Urgente", viu sua média cair de 6,2 pontos para 2,9.


Pelo visto sobrou até para a TV Globo, que olha com muita preocupação os preciosos pontinhos que a TV Record vem conseguindo, e que parece a TV da família Marinho perde para a emissora do Bispo Macedo.


A audiência “global” no horário caiu 2 pontos, o que considerando cada ponto de ibope equivalente a aproximadamente 58 mil domicílios assistindo a determinado programa, significa que a perda foi de 115 mil TVs ligadas na tela do plim plim.


OU NÃO ???


Imprensa santarena reúne para discutir Estado do Tapajós



"A campanha pelo Estado do Tapajós agora ganha qualidade, com a presença dos senhores!"


A frase do professor Edivaldo Bernardo, coordenador geral do Instituto Cidadão Pró-Estado do Tapajós (ICPET), resume o clima de euforia pela presença de 30 profissionais da imprensa local que atenderam ao chamado do organismo que substituiu o Comitê Pró-Criação do Novo Estado e que terá representação nos 27 municípios da região. A reunião aconteceu ontem à noite (27/06), no auditório da Associação Comercial e Empresarial de Santarém (ACES) e foi coordenada pelo jornalista Jota Ninos, vice-presidente da Coordenação de Comunicação e Marketing (CCM) da instituição, que foi fundada na sexta-feira passada.


Radialistas como Nélson Mota (94 FM), Ivaldo Fonseca e Cléo Neves (Rural), além de Sampaio Brelaz e Paulo Tihamer (TV Tapajós), acompanharam os debates ao lado de publicitários como Jonas Meneses (Vanguarda), Amarildo Sena (Magma) e Júnior Tapajós (W3Mais) e jornalistas como Rogéria Almeida (Ulbra), Ronei Oliveira (TV Tapajós), entre outros. Presentes também a jornalista e tuiteira, de Belterra, Mônica Almeida e o jornalista e historiador Paulo Lima (Projeto Saúde & Alegria), ao lado de Grazziano Guarany (Portal NoTapajós).


O encontro começou com uma exposição, pelo professor Bernardo, sobre a história do movimento que já soma mais de 250 anos de luta. Foi apresentada parte da equipe da CCM, composta por 15 profissionais da mídia local, que será responsável pelo marketing e comunicação do ICPET visando subsidiar os comitês municipais que atuarão nos 27 municípios do futuro Estado do Tapajós.


O economista Evaldo Viana, o vereador Reginaldo Campos e o empresário Sebastião Imbiriba contribuíram com os debates. Para Grazziano Guarany “é preciso fazer fluir as informações, pois agora Santarém está no epicentro do debate nacional”. Paulo Tihammer ressaltou que a intenção da CCM é manter contato com os profissionais da imprensa de todos os municípios da região, para ampliar esse debate. Júnior Tapajós revelou que desde a aprovação do plebiscito, o site do Estado do Tapajós mais que triplicou o número de acessos. “Precisamos criar uma identidade visual e um discurso único e reformar nosso site”, disse ele.


O publicitário Jonas Meneses informou que o CCM deve apresentar esta semana as propostas de peças a serem usadas na campanha pelo voto dos eleitores com mais de 16 anos que ainda não tiraram título, além de outros produtos a serem utilizados na mobilização pelo plebiscito. Os irmãos Guilherme Taré e Paulo Cidmil, trouxeram contribuições de peças publicitárias para esta campanha.


Ao final do encontro, foi definido que todos os profissionais vão procurar utilizar uma mesma linguagem a partir das informações a serem prestadas pelo ICPET, através da equipe de comunicação e marketing. “Nossa responsabilidade é dar início a uma nova etapa de divulgação pela mídia regional”, concluiu Jota Ninos. A CCM volta a se reunir nesta terça-feira (28/06), na ACES, para discutir as propostas já apresentadas. Na quarta-feira será criado o Comitê Municipal de Santarém e os outros 26 municípios do futuro Estado do Tapajós, já começam a programar eventos com a mesma finalidade.

PSDB trabalhando para você: Pedágio sobe até 12%



O governo de São Paulo Geraldo Alckmin PSDB, anunciou nessa segunda os novos valores das tarifas de pedágio, com reajustes que variam de 3,7% a 12%, e que entram em vigor no próximo dia primeiro. A tarifa mais cara no Estado continua sendo a do sistema Anchieta-Imigrantes, que passará de R$ 18,50 para R$ 20,10.


A partir de 2012, o governo anunciou que só passará a usar apenas o IPCA para os ajustes. A ideia é deixar de usar o IGP-M, que tem ficado acima do IPCA no longo prazo - desde 1998, subiu 206%, contra 121% do IPCA. Para aposentar o IGP-M, o governo teve de negociar com as concessionárias, já que o índice é previsto nos contratos de concessão.





O brasileiro, enfim, sem medo de ser feliz






Agora há pouco, n’O Globo, em reportagem de Ronaldo D’Ercole, registra que a pesquisa lançada hoje pela Fundação Getúlio Vargas – comentada ontem aqui - que a queda da desigualdade levou 48,7 milhões de brasileiros ascenderam para as classes A, B e C, um salto de 47,94% no número de brasileiros das cjhamdas classe médida e média alta.


“Esse contingente equivale a uma população da África do Sul, ou da Espanha” explicou o professor Marcelo Neri, autor do trabalho.


Transcrevo um trecho da matéria:


“Nos anos 2000, observou Neri, enquanto a renda dos 50% mais pobres no Brasil subiu 67,9%, os ganhos dos 10% mais ricos avançaram 10,03% em termos reais.


O estudo da FGV os brasileiros são os mais otimistas em relação às suas condições de vida no futura, chamada de “felicidade futura”. NUma escala de 0 a 10, o brasileiro dá nota média de 8,7 à expectativa de satisfação com a vida em 2014, a melhor avaliação numa amostra de 146 países pesquisados, cuja média foi de 6,5. Em relação à condição atual de vida, o brasileiro também lidera o ranking, com nota média 7.


– O brasileiro é o que apresenta maior expectativa de felicidade futura, superando inclusive a Dinamarca, líder mundial de felicidade presente — diz Neri.”


O Tijolaço foi conferir a pesquisa, que pode ser lida aqui, e publica este ranking subjetivo de ” felicidade e expectativa de felicidade” apurado internacionalmente pelo Instituto Gallup.


Quanto mais se fuma, maiores são os estragos




Usar maconha antes dos 15 anos reduz memória em até 30%
Efeitos persistem mesmo após um mês sem consumir a droga, diz pesquisa da Unifesp.


O uso de maconha antes dos 15 anos - quando o cérebro ainda está em processo de amadurecimento - prejudica a capacidade de recuperar as informações, reduzindo a memória dos usuários em até 30%.


Os danos são proporcionais à quantidade de droga usada: quanto mais se fuma, maiores são os estragos. E eles persistem mesmo se houver um período de abstinência de um mês.


Os resultados são de uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo apresentada no 7º Congresso Anual de Cérebro, Comportamento e Emoções, em Gramado (RS).

"Os usuários precoces têm resultados significativamente inferiores também em ouras áreas, como a capacidade de controlar seus impulsos", diz a neuropsicóloga Maria Alice Fontes, uma das autoras do trabalho.


Se o uso se inicia após os 15 anos, no entanto, as chances de prejuízo nessas funções diminui.


"Não é que seja o consumo da maconha fique seguro, longe disso. Mas ele se torna menos nocivo, porque o cérebro já passou dessa etapa de desenvolvimento", afirmou a pesquisadora.


O estudo foi publicado na última edição do "The British Journal of Psychiatry".



segunda-feira, 27 de junho de 2011

Pistoleiros roubam madeira apreendida pela PF no Pará de madrugada e ameaçam trabalhadores



O deputado federal Cláudio Puty (PT/PA) denuncia, neste domingo:


Era 01:36 hs desta madrugada quando recebi um telefonema nervoso do município de Anapu, da parte de lideranças dos comunitários do PDS (Projeto de Desenvolvimento Sustentável) Esperança, onde há alguns anos atrás foi assassinada a Irmã Dorothy e hoje se trava uma disputa violenta contra os madeireiros que tentam extrair a madeira ilegalmente do assentamento.


Ontem à noite, um grupo de mais de uma dezena de pistoleiros invadiu o PDS com caminhões e equipamento para a remoção das toras que foram apreendidas pela Polícia Federal após denúncias da comunidade. A comunidade se preparava para reagir e novas mortes podem ocorrer.


A delegacia de polícia do município até este momento (9:47 de domingo) está fechada e ninguém consegue fazer a denúncia.


Os comunitários já informaram o Ministério Público Federal.


Já denunciei o caso à imprensa nacional e Polícia Federal. Acabei de falar com o Delegado Geral da Polícia Civil do Pará, Dr. Nilton Atayde, que imediatamente se colocou à disposição para reforçar o policiamento na região.


Comento: É desafio ao próprio estado democrático, madeireiros com um bando de jagunços armados, na calada da noite, roubarem madeira apreendida pela Polícia Federal.


É preciso tomar medidas urgentes contra esses pistoleiros e seus mandantes antes que mais lideranças comunitárias sejam assassinadas.


O governo do Pará é tucano. O que fazia a delegacia de polícia "convenientemente" fechada, numa área de permanente conflito?


Os “hackers cheirosos”




No vale-tudo para atacar o Governo brasileiro, hoje a D. Eliane “Massa Cheirosa” Cantanhede se superou, com seu artigo “Hackers pela Ética”, tranformando um grupo anárquico, que buscava, confessadamente, a notoriedade que a mídia lhes deu e não parecia interessado em revelações de interesse social, mas em divulgar CPF, listas de e-mail e em “derrubar” sites oficiais.


“Com CUT, UNE e MST fora de combate a partir de Lula, por conveniência ou oportunismo, entra em ação pela ética pública um tal de LulzSec para azucrinar e expor os Poderes da República.”, escreve a colunista.


Ora, esses grupos, se têm de ser responsabilizados por danificarem propriedade pública (arquivos) e impedir o funcionamento dos sites, não devem nem ser demonizados nem endeusados, duas faces de um mesmo processo.


Não são assunto de política, mas de providências tecnológicas e administrativas. Até porque não guardam nenhuma relação com “segredos de Estado”, como se disse, mas com a sabotagem do funcionamento de sites públicos e violação de dados pessoais.


O que estes “hackers” estão fazendo nada tem a ver com transparência, com publicização de atos secretos de governo tomados à sombra do desconhecimento da sociedade, como fez, por exemplo, o Wikileaks.


Aliás, quem melhor respondeu a isso foi um ouro grupo de “hackers”, ontem, no Correio Braziliense:


“Em meio às recentes invasões a sites governamentais, o grupo Transparência Hacker afirma não ter relação com os responsáveis pelos ataques e aproveita o momento para discutir a própria atuação. Segundo seus participantes, a organização, objeto de reportagem do Correio de 21 de maio, tenta se desvencilhar das ações criminosas. “Trabalhamos com dados que são abertos. Nossa luta é divulgar informações governamentais que já são públicas, tornando-as mais acessíveis”, explica o articulador de redes Diego Casaes, 23 anos. Ele desaprova a publicação de dados como telefones de ministros ou o CPF da presidente Dilma Rousseff, por exemplo. “Essas informações são pessoais, não públicas. Entendo que devem permanecer sigilosas, porque dizem respeito à pessoa”, afirma.”


É isso que D. Cantanhede elogia, ao afirmar que “o alerta para os governos e demais Poderes é que a sociedade, de alguma forma, está de olho.


Quando um grupo de hackers tem mais respeito pela privacidade que uma colunista de um jornal como a Folha, quando se trata de atingir o objetivo político de atacar o governo Dilma é bom a gente se cuidar.


Mas, reconheça-se, não apenas a colunista da “massa cheirosa”, mas toda imprensa, sem capacidade de separar seus ódos políticos ao Governo da instituição Estado, deu o tamanho e a projeção que era aquilo que estes grupos, no fundo, pretendiam.


País vai melhor para o povo que para os economistas




No artigo que publica hoje na Folha de S. Paulo – o texto só está aberto para assinantes – o professor Marcelo Néri diz que, entre os países emergentes conhecidos como Brics, o Brasil “vai melhor para a população que para os economistas”.


Essa é a grande virtude e, ao mesmo tempo, a grande fragilidade do processo brasileiro de desenvolvimento.


Virtude porque o desenvolvimento econômico, aqui, ao contrário do que marcou nossa história e, segundo a pesquisa que Neri lança amanhã – Os Emergentes dos Emergentes: Reflexões Globais e Ações Locais para a Nova Classe Média Brasileira -, e do que ocorre também nos demais países emergente e no mundo desenvolvido, o crescimento tem representado não apenas inclusão social mas um maior nível de equidade na distribuição da riqueza.
E fragilidade porque, mesmo entre os economistas de talhe progressista, têm-se dificuldade de lidar com serenidade com taxas de expansão econômica às quais nós, brasileiros, para falar sinceramente, estamos pouquíssimo acostumados. Na verdade, nosso hábito é formado pelas experi~encias que tivemos de, a cada pequeno intervalo de properidade econômica, semos atropelados pelo “rombo” que aquilo nos custaria a seguir.


De fato, esta série se inicia com o “milagre econômico” dos anos 70, desmontado não apenas pelo endividamento externo contraído para alimentá-lo, que a crise do petróleo de 74 fez catalisar sua inviabilidade e passa pela expansão artificial do consumo no Plano Cruzado e, finalmente, pelo delírio cambial do Plano Real, que agravou o endividamento público, temperado com pequenos – sim, foram pequenos em valores, embora extremamente grandes em consequências – recursos vindos da privatização de setores fundamentais da economia.


Talvez, por isso, poucos estejam se dando conta do que, salvo tremores imprevisíveis, ocorrerá com a economia brasileira dentro de poucos meses. O reajuste do salário mínimo, mantida a fórmula transformada em lei, vai beirar os 14% em valores nominais e será de 7,5% em valor real. Isso é o maior reajuste desde o biênio 2005/06, quando se iniciou o atual ciclo de desenvolvimento.


Só que, ao contrário daquele período, quando vínhamos ainda de um processo de retração econômica que se seguiu à crise de 2002, no final do período FHC, o acréscimo de consumo virá sobre uma base já expandida pelo “ano de ouro” de 2010. Este acréscimo – tanto pela inclusão de camadas muito pobres, onde a vinculação da renda ao mínimo é mais intensa, quanto pela expansão do consumo dos já minimamente presentes no mercado – exige que nos preparemos para ele.


A política de expansão, para que se evite sub-abastecimento e pressão sobre preços, tem de começar já, para que os investimentos produtivos estejam em vias de opoeração quando estes efeitos deste novo salto na renda começarem a surgir ou, pelo menos, decisões de ampliação da capacidade produtiva estejam tomadas.


Um passo positivo foi dado com o incremento do financiamento ao plano de safra agrícola 2011/12. Mas na área industrial, no comércio e nos serviços, a política de juros já está provocando, embora não haja retrações mensuráveis na sua atividade, o adiamento de decisões de expansão, de modernização e reeestruturação.


Muito embora se possa compreender que não é possível viver a euforia todo o tempo, roda-presa é algo que se demora a soltar. E estar de roda-presa na hora de ter de acelerar para acompanhar a expansão do consumo é um desastre. Não apenas para as empresas, mas para a economia nacional como um todo, pelos gargalos e pressões altistas que isso gera.


A aceleração tem que começar já, e com ênfase nos setores onde ela mais demanda tempo para produzir movimento, como o de energia, metalurgia, construção pesada, etc, que não podem ser rapidamente supridos por importações, num primeiro momento.


Os dirigentes de nossa área econômica, hoje sob as palmas do “mercado” pela elevação dos juros e pelos sinais já evidentes de desaceleração econômica, devem se lembrar que até alguns meses atrás eram ridicularizados pelos mesmos “sabidos” justamente por não quererem impor um arrocho maior à economia.


E que quanto nos custou na recuperação econômica na crise de 2008 – embora esta recuperação tenha sido fortíssima – a demora e a resistência do Banco Central em baixar os juros. Uma demora que teve, naquela ocasião, a oposição insistente e firme do mesmo ministro da Fazenda, Guido Mantega.


ENQUANTO ISSO , O BRASIL SÓ CUMPRINDO SUAS METAS PARA A COPA 2014

APOSENTADO INVOCADO


Infraero aprova projeto para Cumbica




Com 230 mil metros quadrados e investimento de R$ 716,6 mi até a Copa, 3º terminal dobrará capacidade de passageiros


Projeto, ao qual a Folha teve acesso, prevê uso de material pré-fabricado para execução rápida


MORRIS KACHANIDE SÃO PAULO


O aguardado projeto do TPS 3, novo terminal de passageiros do aeroporto de Cumbica, está pronto e aprovado pela Infraero.


Com 230 mil metros quadrados, terá condição de receber 19 milhões de passageiros ao ano, segundo especialistas, quase dobrando a capacidade atual, de 20,5 milhões (em 2010, estourou o limite e recebeu 26 milhões).


O projeto vencedor da concorrência aparece na nova edição da revista "Monolito", a que a Folha teve acesso.


O planejamento da Infraero prevê a conclusão de 40% da obra no fim de 2013, com investimento de R$ 716,6 milhões. Com isso, o aeroporto ganharia um fluxo adicional de 10 milhões de passageiros antes da Copa-2014. O restante fica para depois.


O projeto é assinado pelo escritório paulistano de Mario Biselli e Artur Katchborian, em coautoria com Gicele Alves. O desenho lembra o de um avião. De acordo com Biselli, a orientação recebida foi conceber um projeto que pudesse ser executado o mais rapidamente possível.


A demanda inspirou a escolha pelo uso de material pré-fabricado, integralmente metálico. "Será uma obra mais de montagem mecânica do que de construção civil."Outra demanda, esta de segurança, é que as áreas de embarque e desembarque estejam separadas. Por isso o plano tem cinco pavimentos.


Especialistas ouvidos pela Folha elogiam o projeto, mas com ressalvas."Não é revolucionário, mas tem boas referências", diz o arquiteto Guilherme Wisnik. Ele enaltece o uso de elementos contemporâneos como materiais leves e luz natural.


Mas o engenheiro e professor da USP Jorge Leal levanta dois pontos: a mobilidade de um terminal a outro e a modularidade do projeto: "Não pode ser prato pronto. Tem de ter flexibilidade."


QUARTO TERMINAL


Biselli diz que o projeto considera a conexão física por meio de esteiras e local para estação de ônibus.


Quanto à modularidade, lembra que as paredes são removíveis e que sobra espaço para um quarto terminal.


O TPS 3 é um projeto antigo e polêmico da Infraero que já está completando 17 anos desde que foi pensado.


A licitação da construção depende de detalhamento técnico e só sai no fim do ano.


As obras de terraplanagem do pátio da pista, executadas pelo Exército, já se iniciaram.


A Infraero informou que o planejamento será mantido mesmo com a concessão à iniciativa privada.


Colaborou MARIANA BARBOSA, de São Paulo



Índio da Costa para vice de Aécio





Na noite de quarta-feira (22), véspera do feriadão, Índio da Costa, o ex-demo que foi candidato à vice do tucano José Serra e que hoje é um dos líderes do PSD de Kassab, teve sua carteira de motorista apreendida numa blitz do Detran do Rio de Janeiro. Ele se recusou a fazer o teste de bafômetro. Em seu twitter, ele confessou que havia tomado uma taça de vinho. Será que foi só isso?


Na campanha presidencial do ano passado, o ex-deputado ficou conhecido por seus ataques histéricos contra o governo Lula e a candidata Dilma Rousseff. Chegou a acusar do PT de ser ligado ao narcotráfico e fez discursos preconceituosos sobre temas sérios, como o aborto e a religião. Agora, o falso moralista é retido numa blitz policial.


Todo moralista costuma ser um imoral enrustido!


Índio da Costa terá de pagar multa de R$ 957,70 e responderá a processo administrativo no Detran/RJ. A carteira de habilitação ficará retida por cinco dias. A apreensão ocorreu no mesmo bairro nobre do Leblon, próximo ao local onde o ex-governador e atual senador mineiro Aécio Neves também se recusou a fazer o teste do bafômetro. Como presidente do PSD do Rio de Janeiro, o ex-vice de Serra pode até pleitear ser vice do tucano Aécio Neves em 2014.


Afinal, eles têm muita coisa em comum!


Altamiro Borges



sexta-feira, 24 de junho de 2011

Serra em decadência acentuada. Paulistanos preferem Mercadante para prefeito.




A notícia da figura abaixo explica o desespero demo-tucano em requentar os chamados “aloprados”, e dirigirem suas baterias contra Mercadante.

Os números demonstram José Serra em franca baixaria e decadência política diante dos paulistanos. Em seu próprio reduto, com um enorme “recall”, o tucano aparece em segundo, comendo poeira. Praticamente aparece empatado com o terceiro colocado. Está longe de despontar como favorito, e os números são vistos com desalento até por seus correligionários.



Vereadores querem que prefeito "nota 10" tenha 250% de aumento no salário



O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, não foi nada modesto na sabatina feita pela Folha e pelo portal UOL. Quando perguntaram que nota ele dá à própria administração, não teve dúvidas: dez. Talvez por isso, os vereadores e deputados paulistanos resolveram dar salário nota 10 para o prefeito...


A Câmara Municipal quer quase dobrar o salário do prefeito Gilberto Kassab (sem partido) e elevar em 250% os vencimentos dos 27 secretários, além de pela primeira vez pagar 13.º salário - tema polêmico, motivo de decisão contrária até no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O impacto nas contas públicas paulistanas será de R$ 4.802,377,46 anuais - só com os 12 salários.


O projeto com os novos vencimentos foi apresentado pela Mesa Diretora. Se aprovado, eleva o salário do prefeito de R$ 12.384 para R$ 24.117,62. Proposta semelhante foi barrada no fim de 2010 pela bancada do PSDB. Fixava subsídios do prefeito em 90,25% do teto constitucional do Supremo Tribunal Federal - o que elevaria o salário de Kassab para R$ 20 mil mensais.

Em janeiro, por lei federal e pelo teto do STF, Kassab poderia ter elevado os vencimentos para esse patamar, mas abriu mão do acréscimo. Na época, porém, ressaltou ser justo um projeto com aumento para os secretários, cujos vencimentos estariam defasados em relação ao mercado.


Atualmente em R$ 5.504,35, o salário dos secretários pode, pela proposta, chegar a R$ 19.294,10 - valor máximo alcançado atualmente pelos titulares de pasta que acumulam os salários à participação em até três conselhos municipais, pelos quais recebem jetons. Se aprovado em duas votações com o apoio de 28 dos 55 parlamentares, o texto veta a participação dos secretários nesses conselhos. Os jetons representam R$ 3,5 milhões anuais.


"O projeto cria um dispositivo que proíbe os jetons dos secretários nos conselhos", argumentou ao Estado o presidente do Legislativo, José Police Neto (sem partido), aliado do prefeito e prestes a aderir à sigla que Kassab tenta fundar, o PSD. O projeto, porém, não indica se as vagas dos secretários nos conselhos - remuneradas - serão extintas.


Police diz que a diferença entre o projeto anterior e o atual é que a sociedade terá o segundo semestre todo para debater o aumento. "É algo para entrar em vigor só em 2012", acrescentou.


Bastidores. Pelo artigo 14 da Lei Orgânica, é a Câmara quem define o salário do prefeito e dos secretários. No ano passado, porém, a Mesa Diretora era menos amistosa ao prefeito, uma vez que seu presidente, Antonio Carlos Rodrigues (PR), fazia oposição e chegou até - como um de seus últimos atos - a tirar o projeto de reajuste dos secretários da pauta.


Agora, com os sete vereadores da Mesa Diretora como aliados, o caminho do prefeito deve ser mais fácil. Até a bancada do PT defende reajuste para secretários, embora inferior. "Nossa proposta é elevar para algo em torno de R$ 12 mil", afirmou Antonio Donato, presidente do diretório municipal.


Bêbado, ex-vice de José Serra perde carteira em blitz da Lei Seca



Presidente regional do PSD, Antonio Pedro Índio da Costa teve a carteira de motorista apreendida nesta madrugada pela operação Lei Seca, no Rio.Ex-DEM, ele foi candidato a vice-presidente de José Serra (PSDB) na última eleição.


A apreensão da carteira foi decidida após Índio da Costa se recusar a fazer o teste de alcoolemia com o bafômetro.Em sua página do Twitter, Índio da Costa afirma que não fez o teste porque havia bebido vinho.Índio terá de pagar multa de R$ 957,70 e responderá a processo administrativo no Detran-RJ. A CNH ficará retida por cinco dias.


A Hilux, que ele dirigia, foi parada pelos fiscais na Avenida General San Martin, esquina com Bartolomeu Mitre, no Leblon, zona sul do Rio( o mesmo lugar onde o senador tucano Aécio Neves foi flagrado dirigindo bêbado e tambem se recusou fazer o teste bafômetro..Índio da Costa só foi liberado após a apresentação de um motorista habilitado


Índio Bêbado acusava Lula de beber


Durante a eleição presidêncial,Indio acusou Lula de estar bêbado quando disse que DEM deveria ser 'extirpado'


O então candidato a vice-presidente na chapa do tucano José Serra, Indio da Costa (DEM), disse durante um debate realizado pela Record News que o Presidente Lula estava bêbado quando, em evento disse que era preciso "extirpar o DEM" da política brasileira.


"Lula depois de almoço, não sei se tinha ingerido bebida alcoólica, parece que sim, falou aquilo sobre o DEM, disse ele"


O entreguismo da direita não tem limite




É impressionante como a oposição brasileira é incapaz de qualquer ato que não seja o da mais absoluta vassalagem ao capital internacional.

É completamente incabível, sob qualquer aspecto, a reação ao fato de se estar promovendo, através de lei específica, a regulação – e não a proibição – da propriedade estrangeira de solo brasileiro, como publica hoje o Estadão.


Ninguém quer se meter com a vida de alguém que, cansado do frio europeu, queira ter um sitiozinho ou uma chácara no Brasil. Seja bem-vindo, esteja em casa.


Não se pode descartar, mesmo, que o limite mínimo para ter de haver registro – que é de cinco hectares, (50 mil metros quadrados) possa ser um pouco maior, em áreas não-urbanas. Negociação é assim mesmo, você oferece o mínimo e cede um pouco, dentro do razoável.


Daí em diante, a transação teria de ter a aprovação e o registro em um órgão público. Nada demais. Apenas queremo saber o que o “mister” quer fazer com a terra, qual é o seu projeto.


E para as propriedades de mais de 500 mil hectares – cinco milhões de metros quadrados – a União seria detentora de uma espécie de “golden share”, uma participação garantida na definição do uso da terra.


Portanto, longe de ser uma medida radical, é o mínimo que o país precisa para controlar um bem que não é “fabricável”: o seu território.


O Tijolaço já tratou deste tema com mais detalhes – o que você pode ler aqui – e a gente reproduz o mapa que publicou naquela ocasião.


Nele, repare uma coisa: todo mundo pensa que estrangeiro comprando terra é coisa lá nos cafundós, não é? Nada, é só você olhar no mapa e ver que é o agronegócio a cereja do bolo: Mato Grosso, São Paulo e Mato Grosso do Sul não os estados onde a terra mais foi abocanhada.


segunda-feira, 20 de junho de 2011

Agência Moody’s eleva classificação de bônus do governo brasileiro



A Moody’s elevou nesta segunda-feira, 20, o rating dos bônus do governo brasileiro de Baa3 para Baa2, “considerando que o desempenho do crédito soberano é consistente com ratings na parte elevada da margem Baa, que os recentes ajustes nas políticas que devem resultar em um cenário macroeconômico mais sustentável, e diante da perspectiva de melhora dos indicadores fiscais e de crescimento no médio prazo”.


A perspectiva para o rating brasileiro segue positiva.


Em seu comunicado, a agência afirma que a perspectiva positiva mantida para o rating do Brasil captura a possibilidade de uma nova elevação da classificação nos próximos 12 a 18 meses.


“Isto será possível se:


1) o crescimento econômico se moderar e continuar em taxas mais baixas – mas mais sustentáveis e


2) as autoridades quiserem e conseguirem cumprir as metas orçamentárias de curto prazo.”


Por Helena


Governo pressiona Vale? Então vejam os argentinos…





O Valor Econômico publica hoje matéria sobre os apuros em que se vê metida a Vale, acusada pelo governo da Província (Estado) de Mendoza de não cumprir os acordos de fazer compras locais para um projeto de mineração.


A empresa tem cinco dias úteis para apresentarum novo plano de investimentos para o projeto Potássio Rio Colorado, caso contrário, poderá perder a concessão da mina, localizada no município de Malargüe e comprada à mineradora Rio Tinto em 2009.


As obras civis, diz o jornal , “foram suspensas na sexta-feira, após autoridades provinciais terem detectado vários descumprimentos do acordo feito para a liberação do projeto”. A Vale planeja investir US$ 4,5 bilhões para produzir até 4,3 milhões de toneladas por ano de cloreto de potássio, insumo usado na fabricação de fertilizantes.


O subsecretário de Hidrocarbonetos de Mendoza, Walter Vásquez, diz que a empresa desrespeitou a especificação e os prazos de cada investimento em curso, além de violar o acordo conhecido como “Compre Mendocino”. Esse acerto previa a contratação local de 75% da mão de obra, além de “prioridade” a fornecedores de produtos e serviços da região. “Se a empresa não entende esse conceito, não nos interessa que desenvolva suas operações aqui.”


Ou seja, na Argentina eles não fazem negócio com quem compra tudo na China.



Esse é o PSDB que a imprensa esconde:Denúncias de fraudes em hospitais derrubam coordenador da Saúde



Fraudes na Saúde em SP


Na machete da demissão do coordenador não aparece nem o partido que é o PSBD e muito menos o nome do Governador Alckmin. Ah, se fosse o PT… Falta investigar os contratos do metrô. Falta investigar as licitações do rodoanel. Falta investigar o Detran. Falta investigar os comissionados ou os funcionários de confiança do PSDB que estão espalhados aos montes no Estado.


O coordenador de Serviços da Saúde de São Paulo, Ricardo Tardelli, pediu demissão no início da manhã desta segunda-feira, 20, após ter seu nome vinculado à investigação do Ministério Público sobre fraudes nos hospitais da cidade de Sorocaba, no interior de São Paulo.


Em nota, o coordenador afirmou que pediu demissão para garantir uma maior transparência nas investigações do caso. O pedido do ex-coordenador foi aceito.


No domingo, 19, o secretário de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo, Jorge Pagura, também deixou o cargo após ter seu nome envolvido no esquema.


Pagura é acusado de receber dinheiro público da saúde sem trabalhar, documentos consta que, entre 2009 e 2010, ele deveria dar expediente no hospital de Sorocaba de segunda a sexta, das 8h ao meio-dia.Não deu nenhum plantão, mas recebeu


As gravações foram divulgadas ontem no programa Fantástico, da TV Globo.


Na semana passada, 13 pessoas foram presas por envolvimento em um esquema de fraude em plantões. Os profissionais foram acusados de não trabalharem nos plantões mas, mesmo assim, receberem pagamentos pelo serviço. Só no Hospital de Sorocaba, segundo o Fantástico, as fraudes teriam causado um rombo de mais de R$ 2 milhões.


Por Helena



Desigualdade cai no Nordeste. Renda cresce menos em São Paulo



O Brasil ficou menos desigual na década passada. A divulgação dos dados do Censo Demográfico do IBGE esmiúça como o movimento afetou as cidades.


A comparação da renda média domiciliar per capita em 2000 e 2010 mostra, por exemplo, que municípios do Nordeste tiveram os maiores ganhos na renda por pessoa, enquanto cidades paulistas lideram a lista das que menos avançaram na década.


Considerando apenas os municípios com mais de 100 mil habitantes -os muito pequenos são mais sujeitos a variações-, entre os 50 que mais avançaram, metade são nordestinos e um paulista (Franco da Rocha).


Já na lista dos 50 que menos avançaram, 36 são de São Paulo. Corrigindo os valores de 2000 pela inflação acumulada em dez anos pelo INPC (indicador do IBGE), 12 tiveram até mesmo pequena queda no rendimento médio. Nove entre eles são paulistas.


É natural que municípios mais pobres tenham margem maior para avançar mais. No entanto, isso nem sempre ocorreu num país que se acostumou com a desigualdade. Nos anos 80, por exemplo, São Paulo viu a renda média de seus domicílios subir 17%, enquanto o Maranhão avançou 7%.


Na década passada, os domicílios paulistas registraram o menor crescimento entre todas as unidades da federação (apenas 3%), enquanto nos maranhenses a variação foi de 46%.


Para João Saboia, professor do Instituto de Economia da UFRJ, a "melhora substancial na distribuição regional dos rendimentos" ocorreu graças especialmente ao desenvolvimento de programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, e ao aumento do salário mínimo, que variou 70% na década, descontada a inflação.


Pedro Herculano de Souza, do Ipea, explica que o Bolsa Família, apesar do baixo valor da transferência (varia de R$ 32 a R$ 242), tem impacto muito grande em cidades menores e nas quais a renda familiar é muito baixa.


Ele lembra que a Previdência Rural, cujo benefício é vinculado ao mínimo, incide mais nessas áreas.


Segundo Claudio Dedecca, da Unicamp, o aumento do mínimo repercute mais no mercado de trabalho das cidades mais pobres, pois um contingente maior tem rendimentos vinculados a ele.

"A década foi marcada por ampliação da política social e crescimento de qualidade, graças à maior dispersão dos investimentos sobre o território nacional, beneficiando áreas mais pobres", resume Lena Lavinas, da UFRJ.


Renda cresce menos na Grande São Paulo


O fato de partirem de uma base menor explica em parte por que cidades nordestinas tiveram variação maior na renda domiciliar. No caso dos municípios paulistas de menor renda, porém, o crescimento foi menor.


Itapecerica da Serra, na região metropolitana de São Paulo, já registrava em 2000 uma renda média per capita (de R$ 617) inferior à média nacional (R$ 737). Dez anos depois, o Brasil cresceu 13% quando se considera a inflação do período, e a cidade registrou ligeira queda (-2%).


Outras cidades da Grande São Paulo com renda domiciliar baixa tiveram variações nulas -caso de Guarulhos- ou abaixo da média nacional, como Embu (6%), Suzano (3%) e Diadema (4%).

Pedro Herculano Ferreira de Souza, pesquisador do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), diz que as cidades no entorno da capital sofrem com um processo de desconcentração da economia para o interior.Houve forte migração da indústria, especialmente de ramos que geram muitos empregos -como alimentos, têxtil e outros. "O emprego formal cresceu muito fora das metrópoles", diz Souza.


As cidades que circundam a capital paulista também não se favoreceram da alta dos preços de produtos negociados no mercado internacional. O benefício ocorreu, por exemplo, em Sinop (MT), produtora de soja, e Itabira (MG), polo de mineração.O economista Claudio Dedecca, da Unicamp, explica ainda que, em São Paulo, o alcance de programas como o Bolsa Família é menor. Além disso, o reajuste do salário mínimo também tem menor impacto.


De um lado, porque a maior parte dos trabalhadores paulistas recebe mais do que o mínimo - assim, a correção deixa de ser uma referência para outros reajustes. De outro, porque a Previdência Rural, vinculada ao mínimo, conta com poucos beneficiários no Estado.


Outro fator de dinamismo citado por especialistas fora do eixo dos grandes centros são as grandes obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), como a ferrovia Norte-Sul e as hidrelétricas da região Norte.


Na Folha


sábado, 18 de junho de 2011

A fala de Lula no encontro de blogueiros








Ontem, na abertura do 2º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, o ex-presidente Lula falor sobre a importância dos blogueiros como fonte de informações alternativas “Eu queria dizer que valeu a pena vocês, blogueiros, existirem, pois hoje o pobre tem mais acesso ao computador e logo terão acesso à internet.


Daqui a pouco, seremos todos cidadãos livres e vamos deixar de ser um País de um pensamento único, que é aquilo que alguns poucos querem divulgado.


Hoje os blogueiros são uma alternativa, uma possibilidade de que a sociedade participe das informações neste País. Que ela não fique refém deste ou daquele formador de opinião pública, mas que a sociedade possa formular sua própria opinião”


Lula lembrou que graças às mídias sociais a campanha de Dilma Rousseff foi um sucesso na internet.